Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Indústria pede ajustes para se recuperar de prejuízos da paralisação - Jornal Brasil em Folhas
Indústria pede ajustes para se recuperar de prejuízos da paralisação


Presidentes de duas entidades do setor industrial se reuniram hoje (11) com o presidente Michel Temer para apresentar demandas referentes às consequências da paralisação dos caminhoneiros, que durou 11 dias e encerrou há pouco mais de duas semanas.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Vieira, criticou o que chamou de “rigidez do preço” da tabela de fretes mínimos proposta pelo governo para chegar a um acordo com os caminhoneiros. “Entendemos perfeitamente o problema dos caminhoneiros, mas entendemos também que [com] a rigidez de preço as indústrias vão incorrer em mais custos e esses custos terão que ser repassados para o produto”, disse.

Vieira sugeriu que os contratos prevejam uma alteração nos preços em caso de mudança nos custos do transporte. Com isso, segundo ele, não haveria prejuízo para transportadores nem para a indústria.

Para José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o problema maior não é a tabela de frete, e sim a política de reajustes diários da Petrobras, que também foi alvo de reclamações dos caminhoneiros. Para ele, a estatal, apesar de trabalhar com preços do mercado, não tem uma concorrência local, o que deixa a empresa mais confortável para trabalhar com aumentos.

“A Petrobras domina o mercado de combustíveis no Brasil. Ela não pode se comportar como uma empresa que vive à mercê da concorrência. Em qualquer lugar do mundo o preço é liberado, mas existe concorrência. Aqui não tem concorrência”, disse. Para ele, as mudanças constantes de preço nos combustíveis traz prejuízos para o setor da construção, uma vez que nessa área não pode haver reajustes diários.

“Contratamos uma obra que vai ficar três, quatro anos em construção e eu tenho que ter o mínimo de previsibilidade naquele meu contrato. Se eu começar a prever variações de 20%, 30%, 40% não vai ter contrato que se sustente”, disse.

Segundo os dirigentes das duas entidades, o presidente Temer ouviu as demandas mas não fez promessas sobre os problemas apresentados. Vieira também pediu uma isenção de impostos federais por, no mínimo, 15 dias para que as micro e pequenas empresas possam voltar a respirar financeiramente após os prejuízos da paralisação dos caminhoneiros. Temer disse que levaria a questão à área econômica do governo.

Outro pleito da Firjan foi retardar a reoneração do setor para janeiro. Segundo ele, o presidente afirmou que a reoneração de diversos setores da economia, aprovada pelo Congresso no final de maio, já está programada para iniciar em outubro.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Prazo para consolidar dívidas do Refis começa nesta segunda
Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
Receita libera hoje consulta a sétimo lote de restituição do IR 2018
Intenção de investimentos da indústria cresce 4,4 pontos
Mercado reduz estimativa de inflação pela sétima vez
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
Anatel apreende mais de 126 mil produtos não certificados
Inadimplência do consumidor cresce 6,03% em novembro

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212