Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tesouro volta a cancelar leilões de títulos públicos - Jornal Brasil em Folhas
Tesouro volta a cancelar leilões de títulos públicos


A instabilidade no mercado financeiro levou o Tesouro Nacional a desistir de vender títulos públicos no mercado. O Tesouro cancelou os leilões de papéis prefixados – LTN (de curto prazo) e NTN-F (de médio e longo prazo) – previstos para a próxima quinta-feira (21).

Os títulos prefixados estão mais sujeitos às variações do mercado porque os compradores exigem um prêmio sobre a taxa de juros. Essa taxa extra reflete as oscilações no mercado financeiro. Diferentemente dos demais papéis, os prefixados têm o rendimento definido com antecedência. O comprador sabe exatamente quanto vai ganhar, por isso pede um prêmio.

Os leilões de LFT – títulos corrigidos pela taxa Selic, de prazo mais curto – foram mantidos. Esses papéis são menos afetados pela instabilidade do mercado financeiro porque estão atrelados aos juros básicos da economia, que atualmente estão no menor nível da história, em 6,5% ao ano.

Além de cancelar os leilões de prefixados, o Tesouro anunciou que, na próxima semana, continuará a recomprar títulos de investidores que querem desfazer-se dos papéis. A União recomprará NTN-F com vencimento em janeiro de 2023, 2025, 2027 e 2029 e LTN, com vencimento em julho de 2020, julho de 2021 e janeiro de 2022.

O Tesouro também recomprará NTN-B (papéis corrigidos pela inflação oficial) com vencimentos em agosto de 2020, maio de 2021, agosto de 2022 e maio de 2023. Até agora, o órgão vinha recomprando apenas NTN-F.

Por meio dos títulos públicos, o governo pega dinheiro emprestado dos investidores para honrar compromissos. Em troca, o Tesouro Nacional compromete-se a devolver o valor com algum acréscimo, que pode ser prefixado (definido com antecedência) ou seguir a Selic, a inflação ou o câmbio.

Desde a greve dos caminhoneiros, que provocou turbulências no mercado, o Tesouro vem suspendendo leilões e recomprando papéis. O procedimento continuou com a deterioração do mercado internacional nas últimas semanas.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212