Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Após um ano e cinco meses, DF encerra nesta sexta racionamento de água - Jornal Brasil em Folhas
Após um ano e cinco meses, DF encerra nesta sexta racionamento de água


O Distrito Federal não terá mais racionamento de água a partir de amanhã (15). Segundo o governador Rodrigo Rollemberg, os R$ 519 milhões investidos no setor de abastecimento garantirão o fornecimento de água “por algumas gerações” no DF. O racionamento de água no DF ocorre há um ano e cinco meses.

“As condições neste momento é de muita segurança, a ponto de podermos dar fim ao racionamento de água. Com a finalização das obras de Corumbá [Sistema Produtor de Água Corumbá], que teremos em um ano, resolveremos a situação pelos próximos 20 anos”, disse o governador ao fazer o anúncio do fim do racionamento. “Por isso, digo, com convicção, que não teremos mais racionamento por algumas gerações.”

O volume últil do Reservatório do Descoberto, um dos principais do DF, está em 92,9%, de acordo com medição feita ontem (13). No mesmo dia de 2017, o volume útil era 51,9%. “Vale dizer que esses [quase] 93% registrados atualmente significam mais do que 100% em 2015, devido ao aumento da capacidade”, acrescentou.

De acordo como o governador, os bons resultados são consequência também de “uma nova consciência de consumo na população do DF”, que reduziu seu consumo diário, por habitante, de 189 litros em 2014 para 129 em 2017. Em 2015, o consumo de água por habitante estava em 153 litros, e em 2016, 147 litros por dia.

Diante desse cenário mais positivo, foi autorizado que a Companhia de Águas e Esgoto de Brasília (Caesb) aumente suas captações dos atuais 3,3 mil litros por segundo para 4,3 mil litros, a partir de hoje (14). Além disso, os produtores rurais do DF foram autorizados a aumentar o tempo de captação de água, das 3 horas por dia para 6 horas.

Rollemberg destacou o papel dos produtores rurais, pelo consumo mais inteligente dos recursos hídricos. Só com o manejo de irrigação, foi possível uma economia de 40,8 litros por segundo. Já a irrigação convencional economizou 32,3 litros a cada segundo. Com a revitalização dos canais de irrigação, foi possível obter uma economia de 76,56 litros por segundo.

O governador informou que só com as obras do Subsistema Produtor de Água do Ribeirão Bananal foi possível aumentar em 700 litros por segundo a capacidade do sistema, mesma quantidade do Subsistema Produtor de Água do Lago Norte. Já o de Corumbá agrega mais 1,4 mil litros de água por segundo na primeira fase, número que será aumentado para 2,8 mil ao final do projeto. Segundo Rollemberg, com custo de R$ 27 milhões, esta é a maior obra de abastecimento de todo o país.

Os R$ 519 milhões investidos no setor de abastecimento foram aplicados em sistemas, subsistemas, interligações, religações de canais de irrigação, reservatórios e em programas de redução e controle de perdas.

Adasa

Por meio de nota, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa) defendeu a importância do racionamento para a recuperação das bacias e disse que poderá adotar novas regras de gestão caso os reservatórios registrem níveis abaixo do previsto.

Segundo a Adasa, graças a estudos e simulações foi possível autorizar a captação de água da Bacia do Descoberto, abaixo do volume anterior ao racionamento. Antes, eram utilizados 5 mil litros por segundo para abastecimento urbano e 2 mil litros para a irrigação. Agora, a quantidade permitida caiu para 4,3 mil l/s e 1 mil l/s, respectivamente.

As simulações levaram em conta o volume dos reservatórios, a quantidade de chuvas, a vazão dos afluentes e as captações executadas pela Caesb. No caso do reservatório do Descoberto, por exemplo, a Adasa disse que o volume útil atual está em 93%, bem acima do nível observado no mesmo período de 2017: 54%.

A curva de referência definida pela Adasa é utilizada como ferramenta de apoio à gestão dos recursos hídricos na bacia, por meio da qual se estabelecem os volumes que devem ser observados nos próximos meses. Se os valores observados estiverem abaixo do previsto, novas regras de gestão podem ser adotadas, informou a agência, lembrando a importância do consumo consciente por parte dos consumidores.

* Texto atualizado às 17h12 para acréscimo da nota da Adasa

Edição: Talita Cavalcante

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212