Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Argentinos fazem vigília para acompanhar votação da Lei do Aborto - Jornal Brasil em Folhas
Argentinos fazem vigília para acompanhar votação da Lei do Aborto


Milhares de argentinos viraram a noite na praça em frente ao Congresso, para acompanhar a votação, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que legaliza o aborto. Todos estavam preparados para enfrentar o frio de 5 graus: fizeram fogueiras, montaram barracas e dançaram, ao som de tambores, pedindo aos legisladores o direito a um “aborto livre, gratuito e seguro”.

A sessão começou nessa quarta-feira (13) e, até o fim da noite, havia um empate entre os deputados que discursaram a favor e contra a legalização do aborto. Do lado de fora do Congresso, ativistas dos dois lados ocuparam a praça e defendiam sua posição.

Em um canto da praça, um grupo erguia bandeiras argentinas para mostrar que defendiam a vida – tanto da mãe quanto do feto. “A legalização do aborto viola os direitos humanos da criança que está por nascer”, disse a estudante universitária Simone Beltrami, em entrevista à Agência Brasil. Segundo ela, o governo deveria investir em educação sexual, em programas sociais de apoio às grávidas e em leis que facilitem o processo de adoção, em vez de legalizar o aborto.

Do outro lado da praça, uma multidão maior acenava com lenços verdes – o símbolo da campanha pela legalização do aborto.Uma das manifestantes, a médica Amparo Lopez, diz que o aborto – apesar de ilegal – sempre foi e sempre será praticado. “Ao legalizá-lo evitaremos muitas mortes”, argumentou, em entrevista à Agencia Brasil. “As mulheres que não querem ou não podem ter filhos poderão interromper a gravidez num hospital, em vez de recorrer a curandeiros ou clínicas clandestinas”.

Segundo as estimativas, 500 mil abortos clandestinos são feitos todos os anos na Argentina. Cerca de 60 mil resultam em complicações e hospitalizações. E muitas mulheres – a maioria pobres ou do interior – morrem por causa de abortos mal feitos. Atualmente, a legislação argentina só permite o aborto em casos de estupro ou se a vida e a saúde da mãe correrem risco.

Desde 2007, sete projetos de lei legalizando o aborto foram apresentados. Este é o primeiro que foi votado. Se for aprovado, as mulheres terão o direito a abortar livremente até completar 14 semanas de gestação. Depois disso, somente em casos de estupro, se a vida e saúde da mãe estiverem em risco ou se o feto sofrer uma malformação incompatível com a vida fora do útero. Independentemente do resultado, o projeto abriu um debate que, segundo o presidente Mauricio Macri, foi “postergado durante 35 anos”. Apesar de apoiar uma discussão “madura” sobre um assunto polêmico, Macri é pessoalmente contra o aborto. Os antecessores dele também.

Edição: Graça Adjuto

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212