Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 BNDES: não há evidência de que excesso de caminhões motivou greve - Jornal Brasil em Folhas
BNDES: não há evidência de que excesso de caminhões motivou greve


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) publicou ontem (14) os resultados de um estudo em que procurou investigar se o aumento da frota nacional de caminhões influenciou a deflagração da greve ocorrida no mês passado. Não é possível estabelecer essa relação, ao contrário do que tem sido defendido por alguns economistas, conclui a instituição financeira.

A pesquisa, intitulado O BNDES e a crise dos caminhoneiros, buscou responder se o principal fator por trás da paralisação teria sido o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que vigorava entre 2009 e 2015 e oferecia crédito para a aquisição de caminhões. Essa tem sido uma hipótese lançada por alguns economistas críticos da atuação do banco, para os quais houve elevação artificial da frota no país e, consequentemente, derrubada do valor do frete.

O argumento que coloca o BNDES no centro do problema costuma ser ilustrado pelas taxas de juros nominais de 2,5% ao ano (desconsiderando o spread), praticadas entre setembro e dezembro de 2012, no âmbito do PSI. Levando em conta que a inflação naquele ano foi de cerca de 6%, o programa implicava uma taxa real de juros fortemente negativa, o que estimularia a aquisição de caminhões novos. Cabe então analisar se esse movimento efetivamente derrubou o preço do frete, propõe o estudo.

O levantamento se valeu de dados da Agência Nacional de Transportes (ANTT) e da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Ele mostrou que, apesar das condições favoráveis de financiamento, a produção de ônibus e caminhões apresentou uma retração de 38% em 2012.

Além disso, entre 2011 e 2017, a taxa de expansão média da frota de caminhões foi de apenas 2,8% ao ano e há uma estabilidade nos últimos anos. A pesquisa aponta ainda que o preço relativo do frete não teve a esperada queda. Na verdade, o movimento foi errático com o passar dos anos, sendo que seu valor no período 2014/2016 é superior ao preço vigente no período 2010/2011.

Diesel

Para o BNDES, o desempenho frustrante da atividade associado ao aumento dos custos recentes seria uma hipótese mais promissora para tentar explicar a crise. O banco aponta que a greve foi consequência das sucessivas elevações no preço do diesel, que consumiu o pequeno espaço disponível de ganho dos caminhoneiros até um ponto crítico que desencadeou a paralisação.

A dinâmica dos preços do diesel, é bom frisar, decorreu tanto das elevações nos preços internacionais do petróleo, quanto da depreciação da taxa de câmbio, que estavam na base da política de preços até então praticada pela Petrobrás, registra o estudo.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212