Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Moradores do bairro de Gabriel Jesus comemoram participação do jogador - Jornal Brasil em Folhas
Moradores do bairro de Gabriel Jesus comemoram participação do jogador


Apesar do empate na estreia da seleção brasileira na Copa do Mundo, o clima no Jardim Peri, bairro da zona norte paulistana onde o atacante Gabriel Jesus cresceu, era de vitória pela participação do jogador no Mundial.

“Há quatro anos, eu estava aqui assistindo ao jogo com ele. A sensação é que ainda há esperança, que o Peri é lembrado por uma coisa boa, não só nas estatísticas criminais. Você vê que ele vingou, é muito gratificante”, disse Joelson Faria de Oliveira, 26 anos, que jogou bola com Gabriel.

“Conheço o Gabriel Jesus desde pequeno, ele sempre jogou aqui com a gente. Quando ele tinha 5 anos, ele já ia para o campo com a gente. Jogávamos aqui na rua, tem vídeos nossos”, disse.

Sobre o jogo de estreia, Oliveira avaliou que foi uma partida “truncada” e que Gabriel não teve chance de gol. “Espero que durante a competição ele alcance [a chance de fazer gol]. A bola não chegou nele, mas se chegar ele coloca para dentro [do gol]. Foi um jogo truncado, a Suíça está no mesmo patamar que o Brasil”, comentou.

Primeiro treinador de Gabriel Jesus, Francisco de Assis da Silva, 52 anos, disse que o atacante é um orgulho para ele. “O meu orgulho é que ele não esqueceu a comunidade”, disse, lembrando que da última vez que o jogador visitou o bairro, em 20 de maio, a rua ficou lotada.

Durante a partida, Silva estava atento e apreensivo. “O coração está a mil por hora. O coração ainda vai aguentar [para ver Gabriel fazendo gol]. É como se eu estivesse lá na beira do campo, gritando vai, filho. É como se fosse um filho meu”, destacou.

Neste ano, o filho do treinador, que jogou com Gabriel Jesus nos campos do bairro e pintou as ruas na última Copa, foi para a Rússia acompanhar de perto a atuação do camisa 9 da seleção.

“Como eles saíam cedo para o treino, dormia ele e meus filhos juntos aqui. Eu fazia uma massa, tipo um bolinho, para eles comerem. De manhãzinha, eles pegavam esse bolinho e saíam para o treino. Eu ia com eles de ônibus para o campo porque era perigoso. Saía cedo, 4h30 ou 5h, porque de lá eu já ia para o meu serviço”, lembrou Silva. “Ele na seleção, para mim, é um sonho. Eu fiz parte da vida dele.”

Edição: Lílian Beraldo

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212