Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Interventor apresenta plano estratégico para comissão da Câmara - Jornal Brasil em Folhas
Interventor apresenta plano estratégico para comissão da Câmara


O Gabinete de Intervenção Federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro entregou seu plano estratégico a deputados federais que fazem parte da comissão externa da Câmara dos Deputados que acompanha a intervenção federal durante uma reunião no Comando Militar do Leste na manhã de hoje (18). No encontro, que durou cerca de três horas, o interventor federal, general Walter Braga Netto, e o secretário de Segurança, general Richard Nunes, também fizeram um balanço dos 100 primeiros dias da intervenção federal.

A reunião foi fechada à imprensa e fez parte dos compromissos da comissão externa da Câmara. Coordenador do grupo, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), disse que a comissão parlamentar agora vai fazer uma avaliação sobre o plano estratégico e deve marcar uma audiência ampla na Câmara dos Deputados, com a participação de autoridades fluminenses.

Vamos nos debruçar para avaliar onde podemos colaborar com esse plano estratégico, disse Hugo Leal. Para ele, houve mais avanços que retrocessos no período da intervenção. Estamos falando de um pouco mais de 100 dias e começamos a sentir alguns resultados. Agora, resultados imediatos, com comparação de estatisticas, isso vem com o tempo.
Deixar legado

A opinião de Hugo Leal não foi unânime na comissão. Alessandro Molon (PSB-RJ) também participou da reunião e avaliou que os 100 dias da intervenção apresentaram resultados aquém dos esperados pela população. O pior é a preocupação de não conseguirmos ver realizadas as medidas estruturantes para que, de fato, seja deixado um legado para o Rio de Janeiro. Essa é nossa maior preocupação, disse Molon.

O deputado disse que o Regime de Recuperação Fiscal está entre as dificuldades relatadas pelo secretário de Segurança Pública durante a reunião. O acordo com a União foi assinado por causa da crise fiscal do estado e previu algumas restrições, por exemplo, à realização de concursos públicos.

Não é razoável que a gente tenha demandas urgentes que toquem em direitos fundamentais das pessoas do Rio de Janeiro, como segurança e saúde, no que diz respeito à proteção da vida. Não é possível que isso fique sujeito a números. É necessário garantir recursos pelo menos para essas áreas e a educação.

Edição: Fábio Massalli

 

Últimas Notícias

Furto de combustível causou explosão que matou ao menos 66 pessoas
Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará
Migrantes desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo já são 114
Aniversário de São Paulo terá programação com diversidade de ritmos
Mais de 600 pessoas levavam gasolina na hora da explosão de oleoduto
Pré-carnaval movimenta foliões nas ruas do Rio
Brasil expressa condolências às famílias das vítimas no México
Marcha das Mulheres reúne milhares pelo mundo

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212