Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Polícia Civil investiga ações do ex-senador Luiz Estevão na Papuda - Jornal Brasil em Folhas
Polícia Civil investiga ações do ex-senador Luiz Estevão na Papuda


Preso há mais de dois anos no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, o ex-senador Luiz Estevão é suspeito de ser o “manda-chuva” da ala reservada a presos vulneráveis como ex-policiais e políticos. Na operação batizada de Bastilha, realizada no domingo (17), mais de 30 agentes da polícia civil encontraram chocolate, tesoura e cinco mini pen drives na cela que Estevão divide com o ex-ministro petista José Dirceu.

Além do fato de serem apenas dois por cela enquanto a média é de sete detentos dividindo o mesmo espaço, outros indícios reforçam as suspeitas dos agentes que também encontraram um caderno de Dirceu com uma anotação para “pedir autorização” a Estevão para receber a visita de um menor de idade fora do horário programado.

“Ele passa o recado de que Luiz Estevão tem influência dentro do presídio para conseguir esse tipo de visitação e outras regalias”, disse o delegado Thiago Boeing, da Divisão de Repressão às Facções Criminosas, da Polícia Civil.

Outra evidência sobre o poder de Estevão no local foi o grande volume de documentos do ex-senador encontrados na biblioteca de uso comum dos presos. “Mais parecia um escritório particular dele”, disse Boeing. Luiz Estevão foi condenado a 26 anos de prisão por desvios de recursos do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

Geddel

Os agentes também vistoriaram a cela em que está preso o ex-ministro Geddel Vieira Lima, e outros nove detentos. Segundo os policiais, no local foram encontrados documentos de Geddel que ainda serão analisados. “Vamos ver se há pertinência com as investigações”, disse o delegado.

A ação foi realizada na tarde de ontem durante o jogo de estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo. “A gente avaliou que era o momento mais propício para flagrar privilégios”, explicou o delegado.

As investigações começaram em janeiro para apurar denúncias de que presos estariam ameaçando delegados e juízes. Os policiais descartaram essas ameaças, mas encontraram os indícios de privilégios no bloco 5 do Centro de Detenção Provisória. Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela Vara de São Sebastião em abril mas, a estratégia que manteve toda a ação em sigilo foi a de cumprir os mandados apenas agora.

As defesas de Geddel e Estevão não se pronunciaram.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212