Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Dólar tem leve alta e fecha o dia cotado a R$ 3,74 - Jornal Brasil em Folhas
Dólar tem leve alta e fecha o dia cotado a R$ 3,74


O dólar fechou hoje (19) com uma leve alta de 0,11%, cotado a R$ 3,7443 na venda depois de oscilar com uma máxima de R$ 3,7855. A cotação desta terça-feira evitou uma atuação do Banco Central (BC), que anunciou ter reservado US$ 10 bilhões em swaps cambiais extraordinários (venda futura da moeda norte-americana) para conter a alta, se necessário, somente nesta semana.

O professor César Caselani, da Escola de Administração de Empresa de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV), avalia que, caso o BC não tivesse usado o instrumento de swap cambial, “o dólar já teria disparado com mais força”.

Caselani considera a estratégia do Banco Central importante, mas disse que é um “movimento limitado”. “A entrada do BC tem um único objetivo de curtíssimo prazo, que é frear a disparada do dólar. Isso por si só não resolve todos os problemas econômicos e políticos que o Brasil tem”, apontou.

Bovespa

O Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) subiu hoje 2,26%, com 71.394 pontos – revertendo a tendência de queda dos últimos dez dias. A alta do Ibovespa foi puxada pelos papéis das empresas de grande porte (blue chip), que subiram acentuadamente hoje revertendo o cenário de queda dos últimos pregões.

As ações preferenciais da Petrobras fecharam em alta de 6,28%, seguidas pelos papéis dos bancos Itaú, com elevação de 5,10%, e Bradesco, com 5,18%. Na abertura do pregão pela manhã, o índice registrava uma pequena baixa de 0,79%.

Swaps cambiais

Por meio das operações de swap cambial, o Banco Central vende dólares no mercado futuro, mas sem transferir o recurso de fato. Ao fim do contrato, o BC garante ao investidor o pagamento da variação do dólar no período e o investidor restitui a variação da taxa de juros no período.

Se a taxa de juros for superior, o investidor embolsa os rendimentos. Se a moeda subir mais do que os juros no período, o BC ganha no primeiro momento mas troca de rendimentos com os investidores e sai perdendo. Esse contrato faz com que os investidores diminuam o apetite pela moeda norte-americana e o seu valor frente ao real seja reduzido no mercado de câmbio.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212