Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Votação de lei que prorroga cotas em universidades do Rio é adiada - Jornal Brasil em Folhas
Votação de lei que prorroga cotas em universidades do Rio é adiada


A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) retirou da pauta o Projeto de Lei (PL) 4.205/2018, que prevê a prorrogação do sistema de cotas nas universidades públicas estaduais por ao menos mais dez anos. A Lei Estadual 5.346/2008, atualmente em vigor, garante a validade do sistema por dez anos, período que se encerra em dezembro.

A proposta, que estava prevista para ser apreciada hoje (19), recebeu diversas emendas parlamentares inviabilizando a votação. Novas emendas ainda podem ser apresentadas até as 17h de quinta-feira (21).

O projeto tramita em regime de urgência, quando o processo legislativo é abreviado em virtude da proposta se tratar de um tema de interesse público relevante. No entanto, a Alerj informou que houve um acordo para que a Comissão de Educação faça uma audiência pública sobre o assunto, com a presença de representantes das universidades, o que deve ocorrer em agosto, após o recesso parlamentar de julho. A votação só ocorrerá posteriormente.

O PL 4.205/2018 foi apresentado pelo governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB). Ele garante a continuidade da reserva de vagas para estudantes negros (composição étnica que inclui pretos e pardos), indígenas, oriundos de escolas públicas e pessoas com deficiência.

Mais autonomia

Se for aprovado sem modificações substanciais, o PL dará mais autonomia às universidades estaduais. O sistema de cotas estará assegurado por pelo menos mais dez anos, mas o período poderá ser estendido para além de 2028 por decisão das instâncias deliberativas de cada instituição. As vagas reservadas também podem ser expandidas. O novo projeto mantém os 20% para estudantes de escola pública e 20% para negros e indígenas. No entanto, estes se tornariam percentuais mínimos, podendo as universidades ampliá-los.

Também ficam reservadas 5% das vagas para pessoas com deficiência e outras 5% para filhos de policiais civis e militares, bombeiros militares e inspetores de segurança da administração penitenciária, mortos ou incapacitados para o serviço. O sistema de cotas vale tanto para cursos de graduação como de pós-graduação.

O PL também prevê a manutenção da bolsa-auxílio paga aos estudantes selecionados pelo sistema de cotas e fixa o limite mínimo de meio salário mínimo vigente. Assim como era estabelecido, caberia à Procuradoria-Geral do Estado (PGE) avaliar o sistema. Os prazos, porém, se tornam mais enxutos e as análises, ampliadas. A cada dois anos, um levantamento deverá ser publicado trazendo dados como índices de evasão, desempenhos acadêmicos e empregabilidade dos estudantes beneficiados.

Comissão permanente

Outra novidade da proposta é a obrigação de se instituir nas universidades uma comissão permanente de assistência, que deverá verificar a regularidade do sistema e apurar casos de desvio de finalidade, fraude ou falsidade ideológica. Para as inscrições nos processos seletivos, ficaria mantido o regime de autodeclaração.

Na justificativa anexada ao projeto, Pezão diz que o sistema de cotas foi incorporado plenamente pela sociedade, que vive uma constante busca pela igualdade. As ações afirmativas constituem medidas políticas compensatórias que objetivam inibir a exclusão social, cultural e econômica de indivíduos pertencentes a grupos que sofrem discriminação, através da disponibilização de recursos ou benefícios, cumprindo a finalidade pública decisiva do projeto democrático, que é assegurar a diversidade e a pluralidade social, escreveu.

A antropóloga Elielma Machado, coordenadora de articulação e iniciação acadêmicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), avalia que o projeto apresentado pelo governo é similar à lei de 2008, mas propõe ajustes, alguns deles sugeridos pelas próprias universidades.

Tenta aprimorar alguns mecanismos como o da verificação de possíveis fraudes e de casos de falsidade ideológica e permite olharmos com mais atenção para aqueles que se formam. É interessante ter esse acompanhamento do estudante que conclui o curso com êxito, ver como se dá seu ingresso no mercado de trabalho. É do interesse da universidade ter esse conhecimento e também uma forma de avaliar a política pública, disse Elielma.

Edição: Fábio Massalli

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212