Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Greenpeace assume ter deixado mala com alarme em comissão da Câmara - Jornal Brasil em Folhas
Greenpeace assume ter deixado mala com alarme em comissão da Câmara


A organização não governamental Greenpeace assumiu a responsabilidade por ter deixado uma mala que disparou alarme de moto na comissão especial que analisa o projeto de lei dos agrotóxicos (PL 6299/02), nesta quarta-feira (20). Na ocasião, a sessão foi interrompida por suspeita de que o objeto fosse uma bomba caseira.

Por meio de comunicado, a entidade afirmou que protesto teve como objetivo “chamar a atenção para os riscos da aprovação do projeto, que libera ainda mais agrotóxicos no Brasil”. Segundo a ONG, o Greenpeace realiza, em todo o mundo, atividades pacíficas para defender o meio ambiente.

“O alarme estava inserido em uma pasta e não representava risco algum para a segurança dos presentes. Qualquer outra interpretação é uma tentativa mal-intencionada de desviar a atenção da real ameaça em questão: a liberação de mais veneno na comida dos brasileiros”, diz a nota.

Procurado pela Agência Brasil, o Greenpeace não informou como entrou nas dependências da Câmara dos Deputados com a mala. O protocolo padrão da casa é que todos os visitantes sejam identificados ao ingressar nas dependências da Câmara e seus pertences são revistados em aparelhos de raio-x.

Em nota, a Câmara dos Deputados informou que foi aberta uma ocorrência policial para verificar o responsável por ter deixado a mala no local. Ao encontrar o objeto, a Polícia Legislativa da Casa acionou o Esquadrão Antibomba da Polícia Militar do DF. Ainda segundo a nota, no interior da pasta encontrava-se uma simulação grotesca de artefato explosivo.

PL do Veneno

Conhecida como PL do Veneno, a proposta tem provocado intensos debates na Câmara dos Deputados. A medida é alvo de uma queda de braço de empresários ruralistas contra ambientalistas e órgãos do governo como, por exemplo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), que se posicionaram contrário à proposta.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212