Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Parte das universidades paulistas encerra greve após aumento de 1,5% - Jornal Brasil em Folhas
Parte das universidades paulistas encerra greve após aumento de 1,5%


A maioria das categorias de trabalhadores – professores e servidores – das três universidades públicas paulistas decidiu encerrar a greve mantida desde maio pela campanha salarial. Eles querem agora avançar na pauta específica de cada instituição que é negociada diretamente com as reitorias.

Na negociação com o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp), na qual foi discutida a pauta unificada, com pedido de reajuste de 12,6%, foi mantido o índice de 1,5%. Uma reunião técnica para avaliar o orçamento das universidades foi marcada para o dia 23 de julho.

Na Universidade de São Paulo (USP), servidores permanecem parados, mas professores já retomaram as atividades. Na Universidade Estadual Paulista (Unesp), professores e servidores suspenderam o movimento paredista. Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), servidores se mantêm em greve e professores fazem assembleia na terça-feira (26) para avaliar a adesão.

Os professores da USP decidiram encerrar a greve na semana passada. Na avaliação da segunda vice-presidente da Adusp, professora Michele Schultz Ramos, a greve trouxe “ganhos modestos, mas importantes”. Ela lembrou, em nota da entidade, que a campanha salarial se iniciou com a perspectiva de zero por cento de aumento e conquistou um reajuste (1,5%) que repôs a inflação. Ela também considerou um avanço a proposta de revisão dos percentuais no segundo semestre.

Nesta quinta-feira (16), o reitor Vahan Agopyan se reuniu com representantes do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) para discutir a pauta específica da categoria. Magno de Carvalho, diretor do sindicato, destacou, entre as propostas, o reajuste do vale-alimentação, a devolução de salários descontados da greve de 2016 e contratação de mais funcionários para o Hospital Universitário. Os servidores estão em greve desde 8 de junho.

De acordo com a assessoria de imprensa da USP, a paralisação não alterou as atividades acadêmicas e administrativas de nenhuma área. Carvalho, no entanto, garante que houve grande adesão das unidades do interior do estado, como Ribeirão Preto, Pirassununga e Piracicaba, além da recente parada dos servidores do Hospital Universitário.

Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), os servidores também se mantêm paralisados. Na pauta específica a ser discutida com a reitoria da instituição, é pedida a concessão de uma referência para todos os trabalhadores, com prioridade para os que estão no início da carreira; reposição da inflação no auxílio-alimentação; auxílio nutrição para os aposentados; e diminuição do preço do transporte fretado para servidores que moram em outras cidades. A próxima assembleia será na segunda-feira pela manhã (25) e à tarde haverá negociação com a reitoria.

Na Unicamp, os professores ainda não paralisaram as atividades, tendo sido aprovado o estado de greve. Uma assembleia na próxima terça-feira (26) vai decidir os rumos do movimento.

Os servidores da Unesp decidiram suspender a greve e iniciar o debate da pauta específica com a reitoria. Entre os pontos de reivindicação estão a equiparação dos salários das três universidades; reajuste do vale-alimentação para R$ 1,1 mil; implantação do vale-refeição no valor de R$ 40 por dia; além de temas como paridade nos órgãos colegiados e transparência da gestão da universidade. A negociação está marcada para o próximo dia 28.

A greve de professores também foi encerrada na Universidade Estadual Paulista (Unesp). Em nota, a Associação de Docentes da Unesp (Adunesp) disse que a categoria continua mobilizada e que cobrará a realização imediata de reuniões para negociação da pauta específica da categoria com a reitoria da instituição.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Furto de combustível causou explosão que matou ao menos 66 pessoas
Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará
Migrantes desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo já são 114
Aniversário de São Paulo terá programação com diversidade de ritmos
Mais de 600 pessoas levavam gasolina na hora da explosão de oleoduto
Pré-carnaval movimenta foliões nas ruas do Rio
Brasil expressa condolências às famílias das vítimas no México
Marcha das Mulheres reúne milhares pelo mundo

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212