Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Festival reúne gastronomia e cultura de refugiados no Rio - Jornal Brasil em Folhas
Festival reúne gastronomia e cultura de refugiados no Rio


Com comidas típicas, performances, artesanato e oficinas, refugiados que vivem no Rio de Janeiro celebraram a cultura de seus países no Rio Refugia, festival gastronômico, cultural e social em sua segunda edição na cidade. Neste ano, o evento foi organizado no Sesc Tijuca, na zona norte do Rio de Janeiro.

Comidas típicas de países como Haiti, Síria, Congo, Venezuela, Índia, Nigéria e Camarões estavam à venda em barracas. O público formou filas para provar iguarias como o as típicas arepas dos venezuelanos, principais solicitantes de refúgio no Brasil, em 2017, ao lado de cubanos e haitianos.

Entre os refugiados da África, o Brasil também recebe oriundos do Senegal, como Amina Nangob, que vive no Rio de Janeiro há seis anos. No evento, ela vendia roupas e acessórios de estilo africano.

Eu vim para trabalhar e tentar uma vida melhor do que eu tinha lá. Estou trabalhando muito, disse, sorridente, enquanto atendia clientes em sua barraca. Para Amina, a troca cultural é sempre positiva. Cada um tem a sua vida, mas eu acho que, às vezes, a gente pode compartilhar as experiências com outras pessoas para melhorarmos.

A assistente social Suelen Felix terminou a graduação com um trabalho sobre refugiados e foi ao festival manter a troca cultural que recomenda que todos busquem: Acho importante os brasileiros se aproximarem dos refugiados e dos imigrantes. Se a gente olhar a formação do povo brasileiro, tem uma mistura, lembrou Suelen, que acredita que essa é uma forma de combater preconceitos como o racismo que persiste na cultura brasileira

Suelen transformou a experiência em programa de sábado com o namorado, o designer gráfico Guilherme Lopes. Tudo que tem um viés mais humanitário, a gente gosta muito. E a gente é da umbanda, então, estávamos comprando coisas relativas aos orixás, disse o designer.

*Colaborou a repórter Tâmara Freire, das Rádios EBC

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212