Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Falta de recursos prejudica desenvolvimento, diz confederação - Jornal Brasil em Folhas
Falta de recursos prejudica desenvolvimento, diz confederação


Apenas 431 municípios do país, entre 5.471, têm elevado desenvolvimento em saúde, educação, emprego e renda. Esse é um dos resultados apontados pelo Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) 2018, divulgado hoje (28).

Organizado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, o indicador foi calculado com base em estatísticas oficiais de 2016 nos municípios que concentram 99,5% da população brasileira. Só ficaram de fora 99 localidades criadas nos últimos anos e aquelas para as quais não há números consolidados disponíveis. Os dados completos podem ser conferidos na página da Firjan na internet.

O alto grau de desenvolvimento é obtido quando os municípios obtêm uma pontuação entre 0,8 e 1. Apenas 7% dos municípios analisados atingiram esse patamar, segundo o IFDM. A grande maioria das cidades brasileiras, cerca de 68%, possuem desenvolvimento moderado, com índice que varia de 0,6 a 0,8. A média nacional ficou em 0,6678. Outros 23,5% dos municípios do país apresentam desenvolvimento apenas regular (entre 0,4 e 0,6) e uma fatia de 0,2% têm baixo desenvolvimento, com indicadores ruins em todas as áreas pesquisadas.

Para a Firjan, o problema não é a falta de recursos, já que boa parte do dinheiro público direcionado para educação e saúde, por exemplo, levam em conta o número de pessoas atendidas nessas áreas. “Ou seja, a principal barreira para o desenvolvimento dos municípios é a gestão mais eficiente dos recursos. Dessa forma, acelerar o desenvolvimento no interior do país passa por uma política ampla de capacitação e aprimoramento dos gestores públicos, sobretudo, nas regiões menos desenvolvidas”, diz um trecho do relatório.

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM), no entanto, contesta esse diagnóstico. Para o presidente da entidade, Glaudemir Arolde, que é ex-prefeito de Saldanha Marinho (RS), faltam recursos públicos para os municípios atenderem a população. Segundo ele, ao longo dos últimos anos, a União e os estados transferiram responsabilidades aos entes municipais sem a devida contrapartida em termos financeiros.

“A legislação prevê que 15% do orçamento dos municípios deve ser aplicado em saúde. Na média, hoje em dia, os municípios estão gastando 24% do seu orçamento de saúde”, exemplifica.

A justificativa é a elevação dos gastos causada pela defasagem no repasse de programas federais e nas decisões judiciais que impõem obrigações de atendimento aos municípios que, de acordo com o ex-prefeito, muitas vezes se refere a atendimentos de média e alta complexidade, uma atribuição dos governos estaduais e federal. “Na verdade, a gente acaba fazendo atendimentos em áreas e ações que não são da nossa responsabilidade, e prejudicando a atenção básica de saúde”, argumenta.

Em 2016, um terço (32,2%) das gestantes brasileiras não tiveram a quantidade mínima de consultas recomendada pelo Ministério da Saúde, com base no Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento (PHPN), o que representa quase 1 milhão de gestantes que não tiveram acesso ao pré-natal adequado. Caso a cobertura de atendimento pré-natal continue evoluindo na taxa média dos últimos três anos (2,8% a.a.), segundo o IFDM, a universalização da cobertura só será atingida em 2029.

Outra variável do IFDM Saúde que também chama atenção é a taxa de óbitos infantis por causas evitáveis que, mesmo registrando o melhor nível da série, segue muito longe de um quadro aceitável. Em 2016, o país teve mais de 27 mil óbitos infantis que poderiam ter sido evitados.

Arolde cita a grave crise econômica dos estados, que estariam atrasando o repasse para o pagamento de programas de saúde nos municípios. Ele também dá o exemplo do Programa Saúde da Família, um convênio da União com municípios, adotado pela grande maioria das prefeituras. O governo federal transfere R$ 10 mil por equipe de saúde da família para municípios até 30 mil habitantes e R$ 7 mil para as cidades com mais de 30 mil moradores. O recurso é para auxiliar na contratação de grupos de médico, enfermeiros e agentes de saúde.

“Mas a média de custo de cada equipe dessa é de R$ 45 mil. É por isso que a gente está tirando do orçamento 24% e não 15% como determina a legislação. Os custos são atualizados anualmente, como salários, combustível, energia elétrica, medicamentos, equipamentos, mas os recursos do programa não são atualizados.”

Na área de educação, o problema seria o mesmo, diz o gestor. Segundo Arolde, a maior parte dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) sai do orçamento municipal e é destinado ao pagamento dos salários de professores.

“A lei diz que 60% do Fundeb é para pagamento dos salários e 40% para a manutenção e o desenvolvimento do ensino, mas a média dos municípios hoje é usar 80% dos recursos para o pagamento dos docentes. Enquanto o piso dos professores cresceu 6,82% no ano passado, os recursos do Fundo crescem cerca de 3%. Vai chegar no final dessa gestão dos atuais prefeitos, se não houver modificação, com 100% dos recursos só para o pagamento de salário. Não tem como se desenvolver assim”.

Segundo dados do IFDM 2018, a meta número um do Plano Nacional de Educação (PNE) era, até 2016, universalizar a educação infantil na pré-escola e, até 2024, ampliar a oferta de creches para atender, pelo menos, 50% das crianças de até 3 anos. No entanto, em 2016, o país alcançou 80,4% no atendimento à pré-escola e 27,4% de cobertura à creche. Caso a taxa de atendimento à pré-escola permaneça crescendo a uma taxa próxima à observada nos últimos três anos (1,2%), o Brasil só atingirá o objetivo em 2035, e serão quase 20 anos para bater a meta do PNE, diz o levantamento. Se o atendimento à creche crescer a 5,8% ao ano, taxa média dos últimos anos, o Brasil só baterá a meta em 2027.

De acordo com Glaudemir Arolde, uma das demandas da CNM no Congresso Nacional é a aprovação de um projeto de lei que determina o reajuste anual, com base na inflação, de programas como o de merenda, transporte escolar, compra de medicamentos e saúde da família, como forma compensar os efeitos da alta no custeio desses serviços que estariam prejudicando a realização do atendimento à população pelos municípios.

Governo federal

Procurado, o ministro do Trabalho, Helton Yomura, respondeu que os números do IFDM dão uma ideia muito precisa do desafio que o governo do presidente Michel Temer encontrou ao assumir o comando do país, em maio de 2016. Segundo Yomura, diante de um saldo negativo de mais de 115,5 mil postos de trabalho fechados em maio de 2015, e de 72,6 mil vagas fechadas em maio de 2016, foi preciso adotar medidas urgentes para reverter o quadro de recessão e retomar o desenvolvimento econômico e social do Brasil.

O Ministério do Trabalho assumiu esse compromisso com uma série de iniciativas que vem ajudando na recuperação da economia e do emprego no país, como mostram os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Em maio de 2018, pelo quinto mês consecutivo, o emprego formal ficou positivo no país, com 33.659 postos de trabalho a mais do que o estoque de abril, que já há havia apresentado números positivos. O quadro também é otimista se avaliados os últimos 12 meses. Entre junho de 2017 e maio de 2018, houve um crescimento de 284.875 postos de trabalho, um aumento de 0,75%, disse o ministro.

O Ministério da Educação informou, por meio da assessoria, que o resultado do IFDM se refere a indicadores de atribuições e competência legal dos municípios, e que não iria comentar os números. A pasta ainda ressaltou que desconhece as metodologias utilizadas para tecer qualquer comentário oficial e que todos as estatísticas oficiais do MEC são elaboradas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), com metodologias próprias e reconhecidas nacional e internacionalmente.

A Agência Brasil também procurou o Ministério da Saúde para comentar os dados, mas não obteve retorno até o fechamento da matéria.

Edição: Lílian Beraldo

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212