Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Rio: número de municípios com alto rendimento cai entre 2013 e 2016 - Jornal Brasil em Folhas
Rio: número de municípios com alto rendimento cai entre 2013 e 2016


O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) aponta que 97,8% das cidades fluminenses apresentaram desenvolvimento socioeconômico moderado ou alto em 2016 – taxa superior à média do Brasil que chegou a 76,2%.

O estudo aponta que a crise econômica que atingiu o país, a partir de 2013, fez com que o número de municípios com alto rendimento no estado despencasse nos últimos anos. O estado do Rio de Janeiro fechou 2016 com apenas dois municípios – dos 92 analisados – na classificação de alto desenvolvimento - em 2013, eram 15 cidades nessa classificação. A maioria dos municípios do estado (95,7%) apresentaram desenvolvimento moderado em 2016. O estado não apresentou nenhuma cidade com baixo desenvolvimento.

Divulgado nesta quinta-feira (28) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, com base em dados de 2016, o IFDM 2018 monitora os indicadores sociais em 5.471 municípios, onde vivem 99,5% da população brasileira.

O estudo adota uma escala de avaliação que vai de 0 a 1 - quanto mais próximo de 1 maior o desenvolvimento do município. As cidades são divididas em quatro categorias: baixo desenvolvimento (de 0 a 0,4), desenvolvimento regular (0,4 a 0,5), desenvolvimento moderado (de 0,6 a 0,8) e alto desenvolvimento (0,8 a 1).

Análise

Segundo o coordenador da Divisão de Estudos Econômicos da Firjan, Jonathas Goulart, o Rio apresentou resultado bastante discrepante em relação a 2013.

“Em 2013, nós tínhamos 15 municípios com alto rendimento e agora, em 2016, temos apenas dois, o que revela o quanto a crise econômica impactou os municípios do estado”, analisou.

“A capital do estado ocupava a 5ª colocação, já em 2016 ocupava a 11ª posição no ranking das capitais, neste caso, influenciado pela vertente emprego e renda”

Emprego e Renda

O indicador emprego e renda foi o que apresentou o pior resultado, se assemelhando ao observado no cenário nacional. Dos municípios analisados no estado do Rio, 57 (62%) atingiram apenas o desenvolvimento regular, 21 (22,8%) ficaram com baixo desenvolvimento, 14 (15,2%) com desenvolvimento moderado e nenhum atingiu alto desenvolvimento neste índice.

“O que se pode falar do Rio de Janeiro é que o estado conseguiu manter um bom nível nas vertentes de educação e saúde, mas quando a gente vai olhar a conjuntura econômica como um todo, não há como deixar de falar da vertente emprego e renda, que sofreu bastante com a crise econômica”, analisa Goulart.

O economista da Firjan destacou, principalmente, a construção civil, setor que perdeu muitos empregos, tanto em 2015 quanto em 2016. “A Copa e as Olimpíadas foram os dois eventos que deram dinamismo ao mercado de trabalho. O final dessas obras impactaram a economia.”
Saúde e Educação

No quesito saúde, o estudo indica que o Rio de Janeiro apresentou resultado melhor que o observado nacionalmente, com 48 municípios (52,2%) apresentando alto desenvolvimento e 44 (47,8%), classificação moderada, o que significa que ainda não atingiram o patamar desejado no desenvolvimento da saúde básica.

Na comparação com 2015, 51,1% das cidades (47) tiveram redução no IFDM Saúde, impulsionado principalmente pela elevação da taxa de óbito de menores de 5 anos por causas evitáveis.

“Ainda há muito a ser feito nesse campo, uma vez que os números indicam que 10 em cada mil crianças nascidas vivas morreram nestas condições, o que poderia ser evitado com assistência básica de saúde”, diz o economista.

No que diz respeito à vertente educação, o estudo revela que 52,2% dos municípios fluminenses receberam a classificação de alto desenvolvimento e 47,8% apresentaram desenvolvimento moderado, o que significa que “ainda não conseguem oferecer a excelência na educação básica a seus moradores”.

A meta do Plano Nacional de Educação (PNE), que previa que todas as crianças de 4 a 5 anos estivessem matriculadas na pré-escola até 2016, foi atingida em apenas 26 municípios. Em três cidades, o número de crianças matriculadas não chega a 60%: São Gonçalo (55,6%), Belford Roxo (56,2%) e Barra Mansa (58,2%).
Ranking do estado

Entre os dez municípios fluminenses mais bem avaliados no IFDM, apenas os dois primeiros colocados estão classificados entre os 500 melhores do Brasil: Itaperuna (0,8180 pontos) e Nova Friburgo (0,8089 ponto).

Os primeiros colocados no estado são: Itaperuna, Nova Friburgo, Piraí, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Petrópolis, Itaguaí, Resende, Niterói e Carmo.

No que diz respeito ao IFDM Educação, todos os dez municípios atingiram alto desenvolvimento, enquanto no IFDM Saúde nove apresentaram alto desenvolvimento. A exceção foi Itaguaí com desenvolvimento moderado nessa vertente.

Na outra ponta, entre os municípios pior colocados, chama a atenção o baixo desenvolvimento das cidades de Cambuci, Arraial do Cabo, Sumidouro, São Francisco de Itabapoana e Santa Maria Madalena.

Último colocado no ranking, Japeri é, ao lado de Belford Roxo, duas cidades que figuram entre as 10 piores do estado desde a primeira edição do IFDM, em 2005

Os dez municípios com as piores avaliações no estado são: Japeri, Belford Roxo, Queimados, São Francisco de Itabapoana, Sumidouro, Santa Maria Madalena, São Gonçalo, Cambuci, Arraial do Cabo e Varre-Sai.

Edição: Lílian Beraldo

 

Últimas Notícias

Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212