Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Após atentados, Praça da Bolsa vira local de recolhimento e homenagem em Bruxelas - Jornal Brasil em Folhas
Após atentados, Praça da Bolsa vira local de recolhimento e homenagem em Bruxelas


Bruxelles I love you. Quatro palavras foram escritas em giz na histórica Praça da Bolsa, local de reuniões espontâneas no centro da cidade que vive em câmera lenta após o choque dos atentados desta terça-feira.

Bruxelles bruxellera toujours (Bruxelas bruxelará sempre), Bruxelles est belle (Bruxelas é linda), Dont worry (Não se preocupe)... Em francês, em holandês, em inglês, em árabe, os moradores de Bruxelas foram mostrar solidariedade e carinho pela cidade, atingida por atentados que deixaram cerca de trinta mortos e mais de 200 feridos.

Sinal de que o local rapidamente tornou-se emblemático, o primeiro-ministro belga Charles Michel foi até lá por volta das 20h (17h de Brasília), acompanhado do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Desde que vim morar em Bruxelas, e hoje mais ainda, me sinto muito belga e muito bruxelense, estou aqui para testemunhar a vontade europeia de homenagear as vítimas belgas e europeias, viva a Bélgica!, lançou Juncker, segundo imagens da televisão VRT.

Desde o início da tarde, várias centenas de pessoas de todas as origens começaram a ir espontaneamente para a Praça da Bolsa, no centro histórico da capital belga.

Local de festa comum dos belgas, onde são comemoradas as vitórias dos Diabos Vermelhos, a seleção de futebol do país, tornou-se uma pequena praça da República, onde os parisienses foram se reunir após os atentados de janeiro e novembro de 2015.

Um violoncelo tocado por um jovem perfura o silêncio pesado, ele é aplaudido. Ainda mais flores e velas são colocadas na praça quando a noite cai em Bruxelas.

Uma mãe e seus dois filhos acendem uma pequena vela e deitam ao lado de outras, dispostos em coração. Um pouco mais adiante, outras pequenas chamas formavam o símbolo universal da paz.

Cristãos+muçulmanos+judeus = humanidade, lia-se no chão, entre várias mensagens escritas em giz de cera colorido. Unidos contra o ódio, diz uma bandeirola colocada nos degraus da praça.

Eu estou aqui para homenagear as vítimas e mostrar que o nosso país é solidário. Mostra que, apesar de nossos conflitos internos estamos unidos diante do horror, disse Thibault Demarneffe, 22 anos, estudante de turismo em Bruxelas, com os ombros envolvidos em uma bandeira belga.

- Fingir que não temos medo -

Sofiane, um argelino que foi completar seus estudos de sociologia em Antuérpia (norte da Bélgica) em 2011, reacende as velas que foram apagadas pelo vento brando.

É triste, lamentável, chocante, suspira: Conheci a Argpelia dos anos 1990. Não sabíamos o que era terrorismo, e um dia ele chegou até nós.

Sua emoção se transforma em raiva: É preciso ficar atento aos radicais que dizem que vão ao paraíso. Eles que façam a viagem sozinhos. Eu não tenho vontade de ir para o paraíso matando inocentes. Não é paraíso, é inferno.

É importante se unir após momentos como esses. É simbólico, mostra que estamos unidos face ao terror, estima Leïla Devin, uma atriz de 22 anos.

Não temos medo, eles são uma dezena e nós, milhares, afirma Juliette, uma universitária belga.

Eu e minha mãe viemos mostrar que somos orgulhosas de sermos belgas e que não temos medo...ou, ao menos, fingir que não temos medo. Porque hoje de manhã eu senti muito medo, reconhece Analphia Desmet, 22 anos, estudante de comunicação.

O ambiente é calmo, pede recolhimento. Alguns cantam músicas em coro, como Imagine, de John Lennon.

O que vivemos hoje é uma tragédia. E a escala é muito maior do que Bruxelas, Bélgica ou a Europa...na escala humana, é uma tragédia, garante Afaf, uma bruxelense.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212