Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 DF tem campanha de vacinação antirrábica itinerante - Jornal Brasil em Folhas
DF tem campanha de vacinação antirrábica itinerante


Para melhorar a cobertura vacinal contra a raiva entre cães e gatos, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal realiza, este ano, uma campanha de vacinação antirrábica ampliada e itinerante, envolvendo condomínios, comunidades rurais e áreas urbanas. A lista completa dos dias e locais onde a imunização acontece pode ser acessado.

As doses serão distribuídas de segunda a sexta-feira durante os meses de julho, agosto e setembro. Até 2017, a imunização antirrábica em animais era feita apenas aos fins de semana.

O chamado Dia D, data em que se concentram esforços de vacinação, terá em duas edições: 21 de julho e 29 de setembro para áreas urbanas e 25 de agosto na área rural. Mais de 80 postos devem estar disponíveis para vacinação nessas datas. A lista dos locais será divulgada posteriormente.

Para 2018, a expectativa da Secretaria de Saúde do Distrtito Federal é vacinar cerca de 270 mil cães e gatos – 80% do público-alvo. A população estimada desses animais no Distrito Federal é de aproximadamente 340 mil.
A doença

A raiva é uma doença 100% letal ao ser humano. O vírus é transmitido do animal para o homem, principalmente por meio da mordida. Cães e gatos são os principais transmissores da doença. A vacina é a única forma de prevenção.

O único caso de raiva humana no Distrito Federal foi registrado em 1978. Já as últimas ocorrências em cães e gatos foram identificadas em 2000 e 2001, respectivamente.

Entre os sinais clínicos da doença, é possível destacar que os cães se tornam mais agressivos, mordendo pessoas, animais e objetos, ou ficam tristes, procurando lugares escuros. O latido se torna diferente do habitual; o animal tende a ficar de boca aberta, com muita salivação, recusa água e alimentos e tem dificuldade para engolir. Também há falta de coordenação motora; convulsão; e paralisia das patas traseiras.

Em caso de suspeita da doença, é importante deixar o animal em observação duramente dez dias, em local seguro, para não fugir nem atacar pessoas ou outros animais. Ele deve receber água e comida normalmente. Caso não seja possível observar o animal em casa, a orientação é encaminhá-lo ao canil da Diretoria de Vigilância Ambiental em Saúde.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212