Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Nicarágua terá marchas e greve geral para cobrar saída de Ortega - Jornal Brasil em Folhas
Nicarágua terá marchas e greve geral para cobrar saída de Ortega


Os nicaraguenses voltaram às ruas nesta quinta-feira (12) e prometem realizar três dias de marchas e uma greve geral de 24 horas para exigir a saída imediata do presidente Daniel Ortega e de sua mulher e vice, Rosario Murillo. O objetivo dos protestos é exigir também a investigação da morte de mais de 200 pessoas, desde o início das manifestações contra o governo, em 18 de abril. Os protestos ocorrem um dia após a reunião do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) – a segunda para tratar da violência e da repressão na Nicarágua.

Ortega já deixou claro que não vai renunciar, nem antecipar as eleições presidenciais. Ele acusa a oposição de tentar dar um golpe. No próximo dia 19, o governo celebra os 39 anos da Revolução Sandinista. Guerrilheiro da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), que reunia as forças de esquerda, Ortega liderou o movimento que derrubou em julho de 1979 a ditadura de Anastásio Somoza.

Na reunião da OEA, o secretário-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), o brasileiro Paulo Abrão, disse que o número de mortes chegou a 264 e 1.800 pessoas foram feridas. A maioria é vítima da repressão das forças de segurança e de grupos paramilitares, simpatizantes do governo – segundo depoimentos, exames balísticos e imagens, recolhidas por um grupo de investigadores da CIDH na Nicarágua.

“Apenas a Venezuela e a Nicarágua rejeitaram o relatório que apresentamos”, disse Abrão à Agência Brasil. A CIDH e a organização Anistia Internacional acusam o governo de “atirar para matar”, numa tentativa de controlar os protestos – os mais violentos desde o fim de uma guerra civil, em 1990. A CIDH, que é ligado à OEA, denunciou ainda “novas formas de repressão”, que afetam principalmente “crianças e adolescentes”.

O estopim dos protestos foi uma reforma da Previdência, que acabou sendo revogada por Ortega. Mas as manifestaçōes continuaram, desta vez contra a violenta repressão do governo, cuja legitimidade está sendo contestada. Os governistas afirmam que os responsáveis pela onda de violência são grupos oposicionistas e situacionistas, que se enfrentam. E que a oposição quer derrubar um presidente democraticamente eleito.

Ortega foi reeleito em 2016 para um terceiro mandato presidencial consecutivo, numa votação - sem a presença de observadores internacionais - cujo resultado tem sido questionado até por antigos aliados do ex-guerrilheiro. Agora, ele é acusado de querer instalar no poder uma dinastia política corrupta, igual aquela que combateu na Revolução Sandinista.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, defendeu, na reunião de quarta-feira (11), a necessidade de uma saída pacífica para a crise, o fim da violência e mencionou a solução de eleições antecipadas – proposta pela Igreja Católica e pela Aliança Cívica (que reúne setores da sociedade nicaraguense contra a repressão). Ambos participavam do diálogo nacional com o governo, que foi interrompido depois que Ortega rejeitou a proposta de encurtar seu mandato.

Protestos e greve geral

Além dos protestos hoje (12) e no sábado (14), a Aliança Cívica marcou uma greve de 24 horas para sexta-feira (14). Os manifestantes adotaram o slogan “Juntos somos um vulcão”. Em um comunicado divulgado nesta quinta-feira, o grupo reafirmou que quer antecipar as eleições. Apesar de ter rejeitado os dois relatórios da CIDH, Ortega permite que a comissão mantenha um grupo no país, acompanhando em tempo real todas as graves denúncias de violações de direitos humanos, e que quatro investigadores especiais investiguem as centenas de assassinatos já cometidos.

Segundo Abrão, a Nicarágua continua na agenda da OEA. Novas reuniões entre os governos dos países-membros continuarão a ser feitas para decidir sobre medidas futuras, que incluem resoluções condenando a violência.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212