Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes - Jornal Brasil em Folhas
Canecão foi referência para música brasileira e revelou grandes nomes


Inaugurado em 1967, o Canecão foi originalmente concebido como uma grande cervejaria – daí o nome que o consagrou. A casa tornou-se rapidamente uma das principais referências nacionais para espetáculos de médio e grande portes e foi o palco que consagrou nomes da música popular brasileita, como Ellis Regina, Maysa e Chico Buarque, e revelou outros, como Elymar Santos, que pagou para se apresentar no local e lançar sua carreira.

Proprietária do imóvel, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) conseguiu a reintegração de posse em 2010, depois de brigar durante muitos anos na Justiça, mas somente em 2013 foi autorizada a usar plenamente o prédio. Até então, a universidade era obrigada a fazer a guarda de bens deixados no local pelo detentor da marca Canecão, Mário Priolli, que morreu no último dia 4, em Cabo Frio, na Região dos Lagos.

Primeiro, a UFRJ investiu na recuperação do telhado do Canecão e na manutenção predial. Depois, passou à preservação da obra A Última Ceia, do cartunista Ziraldo. O painel, pintado em uma das paredes do prédio em 1967, tem 32 metros de comprimento por 6 de altura, e é considerado um dos maiores do gênero no país. Durante anos, a obra ficou escondida atrás de tapumes.

Esse trabalho de preservação do painel é acompanhado pela Escola de Belas Artes e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ. Já foi discutido com Ziraldo que a A Última Ceia seja transformada em um painell, isto é, que possa ser deslocada pelo espaço, embora, segundo o reitor, isso exija certa complexidade.

Parceria inédita

Em nota, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou que esta é a primeira vez que a instituição firma parceria com uma universidade para esse tipo de projeto.

O BNDES vai coordenar a realização de estudo visando ao aproveitamento econômico dos terrenos da universidade na capital, levando em consideração a vocação das áreas e a sua integração urbana com a cidade do Rio de Janeiro.

Depois que os estudos forem concluídos e as alternativas de aproveitamento, apresentadas, a universidade decidirá o modelo a ser adotado para posterior licitação ao mercado, com apoio do banco.

As áreas da UFRJ disponíveis e desimpedidas legalmente estão distribuídas em Botafogo, na Praia Vermelha, na Ilha do Fundão e centro da cidade, diz a nota.

*Colaborou Joana Moscatelli, do Radiojornalismo da EBC

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212