Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cracolândia: para paulistano, prefeitura deve combater tráfico - Jornal Brasil em Folhas
Cracolândia: para paulistano, prefeitura deve combater tráfico


O combate ao tráfico de drogas e o desenvolvimento de políticas públicas devem ser as principais medidas a serem adotadas na Cracolândia, na opinião dos habitantes da capital paulista. O resultado faz parte da pesquisa de opinião divulgada hoje (18) pela organização não governamental Rede Nossa São Paulo.

Entre os entrevistados, 59% acreditam que o combate ao tráfico pode solucionar a questão. Para 53%, a atuação conjunta do Poder Público em saúde, segurança, assistência social, educação e trabalho é a melhor forma de lidar com o problema. Além disso, 43% destacaram a necessidade de construção de unidades de saúde com foco no atendimento aos usuários de drogas.

A Cracolândia, localizada na Luz, região central paulistana, reúne centenas de usuários de drogas e população em situação de rua e tem sido alvo de constantes operações da Polícia Militar e Guarda Civil Metropolitana. A repressão foi intensificada depois da mega ação policial realizada em maio de 2017, que deslocou a aglomeração de pessoas para a esquina da Rua Helvetia com a Alameda Dino Bueno.

Entre outras possibilidades de atuação levantadas estão o incentivo à sociedade civil para criar projetos de atendimento aos usuários (33%); o cuidado com as famílias que vivem na região (27%); uma parceria da prefeitura com o governo estadual para aumentar a ação policial (27%); o incentivo à instalação de empresas na área (23%).

População de rua

Em relação à população de rua da capital paulistana, 37% dos entrevistados destacaram a necessidade de ampliar o número de centros de acolhimento, 34% acham que o melhor é oferecer cursos de capacitação e 30% querem incentivos a empresas para contratar essas pessoas. A ampliação da rede de atendimento socioassistencial deve ser o foco para 27% e 26% defendem que prédios desocupados ou com dívidas com a prefeitura devem ser destinados à moradia popular.

O estudo foi elaborado a partir de 800 entrevistas com residentes em São Paulo com mais de 16 anos de todas as regiões da cidade.

Para Aldaíza Sposati, professora da pós-graduação em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), a desestruturação dos serviços de atendimento à população vulnerável ao longo dos últimos anos provocou o espalhamento dessas pessoas pela cidade. A especialista defende que haja uma continuidade nas ações de modo a aproveitar o acúmulo de experiência e conhecimento.

“Você não teve uma continuidade da atenção. O abrigo é um campo de passagem para outras soluções mais definitivas. Isso foi descuidado. Desde o prefeito [José] Serra [2005] foram retiradas as moradias de aluguel, as repúblicas. Todos os campos de saída da população foram sendo trucados. Praticamente, isso tudo foi reduzido a ficar na rua”, explicou em debate após a apresentação dos dados.

O último censo encomendado pela administração municipal de São Paulo, feito em 2015, indicou que 15 mil pessoas viviam nas ruas da cidade.
Políticas para a Cracolândia

Sobre a Cracolândia, Aldaíza acredita que as ações devem ir muito além da assistência social e passam até por mudanças na política de drogas. “Eu diria que não é uma política de assistência social falar da Cracolândia, é uma política intersetorial: uma política de saúde, urbana. Uma política muito mais ampla, até da regulação de drogas”, destacou.

Pesquisadora na área de direitos humanos e de adolescentes em conflito com a lei, Adriana Palheta lembrou da importância de que haja mais atenção aos jovens em situação vulnerável. Segundo ela, muitas vezes essa população é deixada de lado no desenvolvimento das políticas públicas. “O adolescente é persona non grata nas políticas públicas. Ele some e aparece de volta lá dentro da Cracolândia. Aparece de volta na população de rua. E às vezes a gente não acha porque ele morre antes”, apontou.

O coordenador da Pastoral do Povo de Rua, padre Júlio Lancelotti, criticou a ideia de que o combate ao tráfico de drogas possa ser uma solução para a Cracolândia. .Para o religioso, colocar as drogas como centro dos problemas na Cracolândia é uma forma de tentar controlar a população de rua, uma vez que essa é uma questão presente em todas as regiões da cidade.

“Hoje o tráfico está na porta de todas as universidades. Onde têm mais drogas? Na porta da PUC, do Mackenzie, da São Judas, da Anhembi-Morumbi, ou aqui na Cracolândia?”, questionou.

Edição: Lílian Beraldo

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212