Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Governos locais deverão fechar ano com superávit acima da meta - Jornal Brasil em Folhas
Governos locais deverão fechar ano com superávit acima da meta


As prefeituras e os governos estaduais deverão fechar o ano com superávit acima da meta, disse hoje (20) a secretária executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi. Segundo ela, as estatais federais também deverão fechar o ano com resultado melhor que o previsto.

De acordo com a secretária, os governos locais, que deveriam fechar o ano com superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública) de R$ 1,2 bilhão, deverão encerrar 2018 com resultado positivo em torno de R$ 10 bilhões. Com meta de encerrar o ano com déficit de R$ 3,5 bilhões, as estatais federais fecharão 2018 com déficit de R$ 164 milhões segundo estimativas da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest).

O déficit primário é o resultado nas contas do governo desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública. Segundo o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado hoje pelos Ministérios do Planejamento e da Fazenda, o governo federal deverá encerrar 2018 com déficit de R$ 157,155 bilhões, com folga de R$ 1,845 bilhão em relação à meta de R$ 159 bilhões.

“Todos esses resultados, em conjunto, sugerem um espaço de R$ 14 bilhões em relação à meta do setor público consolidado [União, estados, municípios e estatais]. Isso mostra a eficácia da regra de teto [federal] de gastos e do desempenho melhor que o esperado dos governos locais”, declarou a secretária do Tesouro.

Regra de Ouro

Segundo a secretária executiva da Fazenda, a estimativa de recursos que faltam para cumprir a regra de ouro em 2018 caiu para R$ 98,4 bilhões, contra previsão de R$ 102,9 bilhões divulgada pelo Tesouro Nacional no fim de junho. Ela disse que, com as medidas em estudo, o Tesouro deverá cumprir a regra com folga de R$ 5 bilhões este ano.

Instituída pelo Artigo 167 da Constituição de 1988, a regra de ouro determina que o governo não pode endividar-se para financiar gastos correntes (como a manutenção da máquina pública), apenas para despesas de capital (como investimento e amortização da dívida pública) ou para refinanciar a dívida pública. Nos últimos anos, os sucessivos déficits fiscais têm posto em risco o cumprimento da norma, o que tem levado o Tesouro a buscar fontes de recursos para ter dinheiro em caixa e reduzir a necessidade de emissão de títulos públicos.

Ao longo do ano, o governo cancelou restos a pagar (verbas de anos anteriores), concluiu a extinção do Fundo Soberano e desvinculou dinheiro de outros fundos para reduzir o passivo da regra de ouro, que estava em R$ 214,5 bilhões no início do ano. Para os próximos meses, o Tesouro receberá R$ 60 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), R$ 13,9 bilhões de recursos adicionais de concessões e permissões e conseguirá R$ 19,5 bilhões de outras medidas, o que resultará em uma folga de R$ 5 bilhões.

Ana Paula Vescovi enfatizou ainda que o lucro do Banco Central do primeiro semestre, que será expressivo por causa da alta de mais de 10% do dólar no acumulado do ano, será usado para ajudar no cumprimento da regra de ouro em 2019. “Hoje temos uma boa notícia. Dada a insuficiência, as medidas em curso asseguram o cumprimento da regra de ouro este ano com folga de R$ 5 bilhões. Tudo o que vier do Banco Central dará condições para permitir espaço melhor no próximo ano”, declarou.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212