Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Política para diesel leva folga da meta fiscal a cair para R$ 1,8 bi - Jornal Brasil em Folhas
Política para diesel leva folga da meta fiscal a cair para R$ 1,8 bi


Orçada em R$ 9,6 bilhões, a política de subsídios para o óleo diesel fez a folga da meta fiscal cair para R$ 1,8 bilhão neste ano, disse hoje (20) o ministro do Planejamento, Esteves Colnago.

O Orçamento para este ano estabelece uma meta de déficit primário de R$ 159 bilhões para o governo federal. Isso representa o resultado das contas federais, desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública.

O valor consta do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado hoje (20) pelos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, documento divulgado a cada dois meses, que orienta a execução do Orçamento do ano atual. O relatório anterior, divulgado no fim de maio, apresentava uma folga de R$ 6,2 bilhões.

“A folga anterior [de mais de R$ 6 bilhões] foi totalmente usada para custear a redução do preço do diesel. Sem os efeitos da medida provisória, hoje teríamos uma folga em torno de R$ 8 bilhões“, esclareceu o ministro do Planejamento, Esteves Colnago.

Quanto ao teto federal de gastos, a folga para o cumprimento do limite em 2018 aumentou de R$ 471,4 milhões para R$ 666,6 milhões. A ampliação do espaço fiscal foi possível graças ao cancelamento de gastos, principalmente de subsídios e subvenções.

Royalties do petróleo

O novo relatório aumentou em R$ 11,625 bilhões a estimativa de receita total para este ano. Segundo a secretária executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, a maior parte dessa alta corresponde à revisão das receitas com exploração de recursos naturais (principalmente recursos de royalties do petróleo), que reforçará os cofres federais em R$ 7,36 bilhões além do previsto no documento anterior.

A reclassificação de receitas que estavam paradas na conta do Tesouro engordou o caixa do governo em R$ 928,2 milhões. A secretária executiva da Fazenda também informou que o leilão da Usina de Porto Primavera, empreendimento da Companhia Energética de São Paulo (Cesp) com participação da União, fez o governo aumentar a projeção de receitas em mais R$ 1,098 bilhão, compensando o cancelamento da privatização da Lotex, que fez a União perder R$ 548 milhões.

Os ganhos com as receitas totais também foram compensados pela redução, em R$ 1,282 bilhão, da previsão de arrecadação da Previdência Social e do aumento em R$ 8,431 bilhões da transferência da União para estados e municípios. No fim das contas, as receitas líquidas da União subirão R$ 3,193 bilhão.

Despesas maiores

A alta dos gastos com a Previdência Social e o custo da redução do preço do diesel fizeram a equipe econômica reajustar em R$ 7,546 bilhões a previsão de despesas para este ano. Desse total, R$ 8,765 bilhões correspondem à alta prevista nos gastos obrigatórios. Os gastos discricionários (não obrigatórios) foram reduzidos em R$ 1,219 bilhão, graças ao cancelamento da capitalização de estatais pela União.

Ao todo, a União cancelou R$ 2,168 bilhões de recursos que deveria aportar para as estatais federais para subsidiar o preço do diesel. Em troca, aumentou outros gastos não obrigatórios em R$ 948,6 milhões, o que totalizou a redução final de pouco mais de R$ 1 bilhão nas despesas discricionárias.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212