Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Secretário do Tesouro dos EUA diz que defende comércio livre e justo - Jornal Brasil em Folhas
Secretário do Tesouro dos EUA diz que defende comércio livre e justo


O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, minimizou o impacto da guerra comercial com a China sobre a economia dos Estados Unidos e reafirmou a intenção de seu governo de defender um comércio mundial “livre e justo”, sem tarifas, barreiras tarifárias ou subsídios. Em entrevista coletiva, após dois dias de reuniões de ministros da Fazenda e presidentes do Banco Central do G20, grupo das 19 maiores economias mundiais e a União Europeia, ele negou que o governo norte-americano esteja internacionalmente isolado.

“Tive 22 encontros bilaterais em dois dias”, afirmou Mnuchin. Ele negou que os Estados Unidos tenham se enclausurado após aplicarem tarifas a produtos chineses e ameaçarem fazer o mesmo em relação a veículos importados – algo que prejudicaria seus aliados da União Europeia e do Japão. O secretário reiterou que a maior economia do planeta sempre foi aberta, mas não tem recebido tratamento recíproco – o que explica seu déficit na balança comercial. Segundo ele, é isso que o presidente Donald Trump pretende corrigir.

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, alertou que a guerra comercial terá um impacto negativo no Produto Interno Bruto (PIB) mundial, que em 2020 crescera menos que o previsto. O prejuízo pode ser equivalente a US$ 430 bilhões no pior cenário. Os Estados Unidos, segundo ela, também serão afetados.

“Gosto da Christine [Lagarde], e estamos monitorando esse assunto, mas até agora só registramos microimpactos em setores muito específicos”, disse Mnuchin. Ele assegurou que os Estados Unidos estão abertos a conversas com todos os países, para estimular o comércio mundial. Mas querem receber tratamento igual de seus parceiros. “Nos não obrigamos os chineses a fazerem joint-ventures [associação para criar uma empresa] quando investem nos Estados Unidos e não queremos que nossas empresas sejam obrigadas a fazer joint-ventures quando investem na China”, disse.

Edição: Wellton Máximo

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212