Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Guardia: guerra comercial entre potências afeta economias emergentes - Jornal Brasil em Folhas
Guardia: guerra comercial entre potências afeta economias emergentes


O Brasil e vários países manifestaram neste sábado (21) sua preocupação com a guerra comercial entre as grandes potências. Esse foi um dos principais temas do terceiro encontro de ministros da Fazenda e presidentes de Banco Central do G20 – o grupo integrado pelas dezenove maiores economias mundiais e a União Europeia (UE). A reunião de dois dias termina hoje (22).

“Isso afeta as economias mundiais, principalmente as economias emergentes”, disse o ministro da Fazenda brasileiro, Eduardo Guardia, em entrevista coletiva, após o primeiro dia de encontro. Segundo ele, os riscos aumentaram depois que os Estados Unidos começaram a aplicar tarifas as importações de produtos chineses e que a China retaliou.

“Se olharmos de abril para cá, todas as principais econômicas emergentes tiveram desvalorização de suas moedas”, disse o ministro. Mas segundo ele, a única saída – principalmente para o Brasil - continuar realizando as reformas necessárias, para fortalecer a economia e estar melhor preparado para atravessar “momentos de volatilidade”.

Segundo o ministro, o Brasil poderia se beneficiar – a curto prazo – da briga de tarifas e contra-tarifas, entre Estados Unidos e China, ocupando o espaço dos exportadores norte-americanos e vendendo mais para o mercado chinês. Pelos cálculos do governo brasileiro, isso poderia significar um ganho de US$ 2 bilhões este ano. Mas não compensaria os prejuízos que uma guerra comercial causará, a longo prazo, tanto para a economia brasileira, quanto para a economia mundial.

Guardia disse que o Brasil não tem os meios para intervir numa guerra comercial entre as grandes economias, mas deve se preparar para enfrentar maiores dificuldades, se elas aparecerem. “Se o cenário for mais adverso, a reação vamos acelerar as nossas linhas de defesa. No caso brasileiro aumenta a necessidade de consolidação fiscal: leia-se previdência, questões tributárias, questões de abertura comercial”, afirmou. Ele disse que, apesar do Brasil ter um “setor externo muito sólido”, o país tem “fragilidades” na área fiscal.
Câmbio

O ministro descartou qualquer medida para estabelecer um patamar de câmbio no Brasil. “O câmbio brasileiro é flutuante. O que nos dá proteção nesses momentos de volatilidade e reforçar os fundamentos da economia brasileira e ficar menos vulnerável a qualquer deterioração do cenário externo”, disse. Segundo ele, o Ministério da Fazenda e o Banco Central se limitarão a fazer intervenções quando “entendermos que há disfuncionalidade no mercado de cambio ou de juros”.

Mas ele ressaltou que nas últimas três semanas não houve qualquer intervenção. “Isso significa que o mercado reencontrou seu patamar de equilíbrio”, disse.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212