Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Lagarde abre G20 e diz que Argentina é capaz de cumprir metas - Jornal Brasil em Folhas
Lagarde abre G20 e diz que Argentina é capaz de cumprir metas


Os ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20 (grupo das dezenove maiores economias do mundo e a União Europeia) se reúnem no final de semana pela terceira vez neste ano. O encontro, na capital argentina, Buenos Aires, é o primeiro desde que a guerra comercial se intensificou, com os Estados Unidos aplicando tarifas as importações chinesas e a China retaliando – algo que pode ter repercussões em países desenvolvidos e em desenvolvimento.

Na abertura, a diretora do FMI, Christine Lagarde, que na sexta-feira (20) à noite se reuniu com o presidente da Argentina, Mauricio Macri, mostrou confiança na política econômica do país. “As políticas estão sendo implementadas e os objetivos são alcançáveis”, disse Lagarde. Ela admitiu que o índice inflacionário alcançou “um ponto alto” em junho e que “houve conversas” sobre isso – já que a meta de inflação para este ano é de 32%. “Mas o programa está sendo cumprido” e “houve progressos”, assegurou, ao prever que a economia “vai melhorar em 2019 e 2020”.

Lagarde manifestou confiança em relação à capacidade do governo argentino de cortar gastos e cumprir com a meta de reduzir o déficit fiscal a 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e 1,3% em 2019.
Protestos

Um forte esquema de segurança foi montado em Buenos Aires para acolher as delegações, em meio a protestos convocados por organizações sociais de esquerda e sindicatos, contra o acordo stand-by de US$ 50 bilhões, assinado pela Argentina com o Fundo Monetário Internacional (FMI). O dinheiro, liberado em parcelas trimestrais, estará disponível para ajudar o país anfitrião do G-20 a superar a crise cambial, desde que cumpra com determinadas metas. Entre elas, a redução da inflação, que de junho de 2017 até junho passado chegou a 29,5% (superior à meta do FMI de 29%).

Os protestos contra o FMI e a presença de Lagarde na reunião do G-20 começaram na sexta-feira (20) e continuaram no sábado (21), interrompendo o trânsito em Buenos Aires. A maioria dos argentinos associa o FMI a programas de ajuste, que contribuíram para agravar a recessão na década de 1990 e resultaram na moratória da divida, na queda de sucessivos governos e na crise de 2001 – a maior da história recente do país.

O governo argumenta que o empréstimo permitiu que o país controlasse a escalada do dólar – provocada por fatores externos, como, a decisão dos Estados Unidos de aumentar as taxas de juros. A Argentina também enfrentou uma seca, que prejudicou suas exportações agrícolas, mas – antes disso – Macri não tinha conseguido cumprir duas promessas de campanha: reduzir a inflação de dois dígitos e atrair investimentos estrangeiros. Ele sim vai ter que cortar as obras de infraestrutura, que programou para gerar empregos e reativar a economia, para reduzir o déficit fiscal.

Encontros bilaterais

A agenda do encontro de dois dias prevê debates sobre formas de atrair o capital privado para investir em infraestrutura e fomentar o comércio multilateral e o desenvolvimento. A proposta e reduzir, ate 2035, o déficit global em infraestrutura que chega as US$ 5.5 trilhões. Outros temas são sistemas impositivos internacionais e regulamentações financeiras. O G-20 também é oportunidade para encontros bilaterais.

O ministro da Fazenda brasileiro, Eduardo Guardia, vai se encontrar com o chanceler do Erário do Reino Unido, Phillip Hammond, e os ministro das Finanças da Turquia, Berat Abayrak, e dos Paises Baixos, Wopke Hoekstra, além da ministra de Economia, Industria e Financas da Espanha, Nadia Calviño.

O tema que preocupa a todos é a guerra comercial iniciada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao aplicar tarifas de 25% sobre US$ 34 bilhões de importações da China. O governo chinês retaliou, com medidas parecidas. Agora Trump anunciou que pode dar um passo além, aplicando tarifas de 10% a outros US$ 200 bilhões de produtos chineses.

Trump também ameaça taxas a importação de veículos da União Europeia.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212