Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estudantes da PUC-SP protestam contra violência da PM e contra impeachment - Jornal Brasil em Folhas
Estudantes da PUC-SP protestam contra violência da PM e contra impeachment


Estudantes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) fizeram manifestação na noite de hoje (22) contra a repressão da Polícia Militar (PM), ocorrida ontem em frente à universidade, e também contra o impeachment da presidenta Dilma Roussef, o que consideram um golpe.

Ontem (21) a polícia reprimiu com bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha estudantes que manifestavam na Rua Monte Alegre, onde fica a PUC-SP. Hoje, a reitora da universidade, Anna Maria Cintra, enviou ofício ao governador Geraldo Alckmin colocando-se contra a ação da PM. A reitoria lamentou o ocorrido e disse ser contra qualquer ato de violência.

No ato feito hoje, os estudantes pediram um novo posicionamento da reitoria em relação à repressão da PM. Segundo as lideranças, os estudantes exigem medidas concretas contra as ações da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e da PM.

O grupo reuniu-se dentro da PUC-SP e saiu em passeata, por volta das 20h, pelas ruas do bairro de Perdizes até chegar à Avenida Francisco Matarazzo às 20h40. No caminho, gritaram palavras de ordem pedindo o fim da Polícia Militar e também contra o impeachment. A PM, dessa vez, não acompanhou o ato.

Mais cedo, o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Alexandre de Moraes, disse que a ação da Polícia Militar durante o protesto foi legítima e só ocorreu porque um grupo contrário tentou impedir os manifestantes de continuarem o ato contra a corrupção.

“Temos que parar com esse absurdo de acusar a polícia de problemas criados por alguns manifestantes. Na quinta-feira passada, tivemos, na mesma universidade, a manifestação a favor do governo, sem nenhum problema. Ontem, o ato era de pessoas da PUC contrárias ao governo federal. Durante a manifestação, um grupo a favor do governo quis evitar o ato. Isso poderia gerar briga, então a polícia precisou dispersar”, disse Moraes.

Segundo o secretário, para dispersar os manifestantes que tentavam atrapalhar o ato do grupo oposto, a Polícia Militar usou bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e spray de pimenta. O secretário negou que haja diferença no tratamento aos manifestantes.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212