Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Aneel suspende Furnas de leilões de geração e distribuição por um ano - Jornal Brasil em Folhas
Aneel suspende Furnas de leilões de geração e distribuição por um ano


A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu hoje (24) suspender por um ano o direito da empresa Furnas de participar de leilões de geração e distribuição de energia promovidos pela autarquia. O motivo foi o descumprimento do contrato de implantação de 11 empreendimentos eólicos no Rio Grande do Norte.

De acordo com a Aneel, pesou na decisão o histórico recente da empresa de atraso na implantação de novos empreendimentos. Segundo a agência reguladora, nos últimos dez anos, de 56 novas usinas que deveriam ter entrado em operação, apenas 23,2% foram concluídas. As outorgas de 67,9% dos empreendimentos foram extintas ou estão em processo de revogação, e 8,9% estão com obras em atraso.

Com a decisão a Aneel revogou as outorgas dos empreendimentos de centrais geradoras eólicas: Uirapuru, Santa Rosa, Ventos de Angelim, Arara Azul, Bentevi, Ouro Verde I, Ouro Verde II, Ouro Verde III, Serra do Mel I, Serra do Mel II e Serra do Mel III, localizadas nos municípios de Acaraú, João Câmara e Serra do Mel.

Além da exclusão dos leilões, a agência reguladora aplicou ainda multa correspondente a 1% do investimento declarado à Empresa de Pesquisa Energética (EPE) para cada empreendimento.

As penalidades terão de ser pagas em até dez dias, a partir da publicação de ato da agência. O valor varia de R$ 536,3 mil a R$ 1,1 milhão. A maior parcela será paga por Furnas, que detém 90% de participação nos consórcios.

Fatores alheios

Em nota, Furnas, empresa do grupo Eletrobras, informou à Agência Brasil que vai recorrer da decisão da agência e que o atraso ocorreu por fatores alheios à vontade da empresa.

Furnas vai recorrer da decisão da Aneel por entender que o atraso dos parques se deu por fatores alheios à sua vontade, como a falência da Impsa, empresa fornecedora dos aerogeradores. Além disso, Furnas lembra que os parques mencionados foram descontratados no Mecanismo de Compensação de Sobras e Deficits (MCSD), regulamentado pela própria ANEEL, o que significa que a não entrada em operação desses empreendimentos não vai causar prejuízos nem para o setor, nem para o consumidor, diz a nota.

Furnas é o principal sócio dos empreendimentos. Além da subsidiária da Eletrobras, ou outros sócios são Eólica Tecnologia, Ventos Tecnologia e Gestamp. Para estas empresas, a Aneel aplicou apenas multa por entender que são sócias minoritárias.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212