Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Escritora francesa de origem marroquina diz que pertence à literatura - Jornal Brasil em Folhas
Escritora francesa de origem marroquina diz que pertence à literatura


Nascida em uma família liberal e que defendia a laicidade no Marrocos, país de maioria islâmica e leis conservadoras, a escritora Leila Slimani sentia-se no exílio, em sua própria casa, em relação ao mundo fora dela. Depois de mudar para França, aos 17 anos, ela encontrou uma sociedade mais laica, mas ainda cheia de resistências ao multiculturalismo e preconceitos contra imigrantes. Francesa de origem marroquina, aos 36 anos, Leila considera-se pertencente à literatura.

O exílio não é uma coisa geográfica, sentia-me exilada até no meu próprio país, afirmou a escritora, em entrevista coletiva nesta sexta-feira (27) durante a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), onde participa de uma das mesas de discussão. O único lugar em que não me sinto exilada é na literatura. Este é o meu verdadeiro país. Quando era jovem e li livros de [Leon] Tolstói e Jorge Amado, por exemplo, senti que era a esse universo que eu pertencia.

A escritora critica certo saudosismo que existe entre os conservadores europeus, que sonham com a volta da França ou da Itália de outrora. Eu não tenho nenhuma saudade dessa França e não lamento. Uma França em que as mulheres não tinham direito de votar, nem de abortar, em que os homossexuais eram considerados ilegais. Não vivo nessa nostalgia, disse ela.

O multiculturalismo é uma enorme riqueza para nosso continente. Infelizmente, como vocês sabem, ele suscita muita oposição e muita violência por parte da direita, acrescentou.

Leila Slimani publicou recentemente no Brasil o livro Canção de Ninar, que rendeu a ela o Prêmio Goncourt, o mais importante da França. Na história, em que uma babá mata os dois filhos de seus patrões, Leila Slimani explora as diferenças sociais, culpas e relações de poder presentes nessa sociedade, sem julgamentos ou condescendências. Autora de sete livros, ela já escreveu sobre uma mulher casada e compulsiva por sexo, e sobre a vida sexual secreta de mulheres marroquinas.

Na história de Canção de Ninar, a babá transita entre a loucura e o desejo ilusório de alcançar a perfeição para pertencer a uma família burguesa. Percebi, na qualidade de mulher e na qualidade de mãe, que eu só poderia ser realmente emancipada e livre quando tivesse aceitado o fato der ser imperfeita.

Para a escritora, a sociedade imputa muito mais culpa às mulheres que aos homens, especialmente no que diz respeito à maternidade. Em uma situação dessas, em que estou em Paraty, até a minha própria mãe diz pra mim que estou fazendo muita falta aos meus filhos. Se for o meu marido que viaja, eles dizem para ele: seus filhos devem fazer muita falta para você.

Intimidade é política

Leila Slimani contou que sua experiência como jornalista, cobrindo a insatisfação da juventude nos países da Primavera Árabe, revelou uma falta enorme que esses jovens sentiam da intimidade, por terem suas vidas constantemente controladas pelas famílias e pela moral religiosa. Segundo ela, no Marrocos, apenas 0,1% das pessoas com menos de 28 anos moram em uma casa com um quarto só para elas. Eu me dei conta de que essa questão da intimidade era, sim, uma questão política.

No caso das mulheres, a percepção da escritora nas viagens ao país de origem era de que seus corpos não pertenciam a elas, ainda que se falasse com mulheres diversas, casadas, prostitutas, lésbicas ou ateias. Constatei que a primeira violência que você pode fazer com uma mulher é o silêncio, é dizer cale-se eu não quero ouvir o que você tem a dizer, disse ela, que se lembrou de uma jovem que contou a ela que queria ser escritora, mas tinha medo de perder as pessoas que amava. Temos que lembrar sempre que, para muitas mulheres ao redor do mundo, ousar dizer e ousar contar histórias é perder as pessoas próximas.

Captura do leitor

A escritora disse também ter sido jornalista influenciou na forma de seus textos e também na capacidade de observar os detalhes à volta, muito usados em sua literatura.

A gente [jornalista] está sempre cortando o texto. Isso me ensinou que é preciso que o leitor seja imediatamente capturado pelo texto. Não se pode perder tempo para que isso aconteça.

Francês não está em declínio

Em outro ponto da entrevista coletiva, Leila Slimani discordou de uma repórter que perguntou como ela via o espaço da língua francesa tomado por outros idiomas como o inglês e o mandarim. A escritora respondeu que a língua francesa não está em declínio, porque é uma das mais estudadas e traduzidas, e está muito presente em países que terão grande crescimento populacional, especialmente no continente africano.

Hoje em dia, existem 250 milhões de francófonos [aqueles que falam francês] no mundo. Em 2050, haverá 600 milhões, afirmou Leila, destacando que o francês é uma língua versátil e espalhada em todos os continentes, sendo inclusive mais estudada fora da França.

A francofonia vai ficar cada vez mais forte à medida que a França não seja o seu centro, ressaltou Leila Slimani.

*O repórter viajou a convite da empresa EDP, patrocinadora da Flip 2018

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Saúde libera recursos para atender moradores da região de Brumadinho
Justiça determina prisão preventiva de acusado de espancar paisagista
Irmão de mulher espancada diz que ainda está chocado com a violência
Flamengo pede mais prazo para decidir sobre indenização de vítimas
Profissionais que atuaram em Brumadinho serão monitorados
Auditores descobrem 158 Kg de cocaína na fronteira com a Bolívia
Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
Bolsonaro irá ao Congresso entregar texto da reforma da Previdência

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212