Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tombini diz que governo não pensa em alterar política monetária - Jornal Brasil em Folhas
Tombini diz que governo não pensa em alterar política monetária


O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse hoje (22) que não pensa em alterar a política monetária, mesmo ante o atual quadro da economia em queda. Segundo ele, os riscos recentes, as expectativas e as taxas de inflação, junto com os mecanismos de indexação na economia, além de problemas fiscais, não permitem admitir a hipótese de flexibilização das condições monetárias. Tombini participa de audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para falar da política monetária do governo. Para ele, é visível uma desaceleração da inflação em 12 meses, a partir de março.

Analistas e investidores do mercado financeiro reduziram a estimativa de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 7,43%, ante os 7,46% previstos anteriormente, segundo o boletim Focus divulgado ontem pelo Banco Central. A projeção para a taxa básica de juros, a Selic, instrumento primário do BC para combater a inflação, permanece em 14,25% ao ano, em 2016.

Para Tombini, é importante observar que, entre os fatores que ajudarão a tirar força da inflação está o menor impacto da alta do dólar sobre o real e o ajuste dos preços administrados, além do fraco crescimento econômico e do ambiente externo, com crescimento menor. Ele admitiu uma contração da economia próxima de 2%, situação bem melhor do que estima o mercado financeiro, de queda de 3,6%. Tombini admitiu que o BC vai revisar as suas estimativas até o fim do mês.

O presidente do BC destacou ainda as medidas de ajuste fiscal que vêm sendo adotadas, inclusive as anunciadas ontem (21) pelo ministro da Fazenda, Nelson Babosa. Entre as iniciativas estão o alongamento da dívida dos estados com a União pelo prazo de até 20 anos e a aplicação de uma carência de quatro anos para as dívidas também dos estados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Outra medida prevê a criação de reservas bancárias remuneradas como instrumento de política monetária.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE