Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tombini diz que governo não pensa em alterar política monetária - Jornal Brasil em Folhas
Tombini diz que governo não pensa em alterar política monetária


O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse hoje (22) que não pensa em alterar a política monetária, mesmo ante o atual quadro da economia em queda. Segundo ele, os riscos recentes, as expectativas e as taxas de inflação, junto com os mecanismos de indexação na economia, além de problemas fiscais, não permitem admitir a hipótese de flexibilização das condições monetárias. Tombini participa de audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para falar da política monetária do governo. Para ele, é visível uma desaceleração da inflação em 12 meses, a partir de março.

Analistas e investidores do mercado financeiro reduziram a estimativa de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 7,43%, ante os 7,46% previstos anteriormente, segundo o boletim Focus divulgado ontem pelo Banco Central. A projeção para a taxa básica de juros, a Selic, instrumento primário do BC para combater a inflação, permanece em 14,25% ao ano, em 2016.

Para Tombini, é importante observar que, entre os fatores que ajudarão a tirar força da inflação está o menor impacto da alta do dólar sobre o real e o ajuste dos preços administrados, além do fraco crescimento econômico e do ambiente externo, com crescimento menor. Ele admitiu uma contração da economia próxima de 2%, situação bem melhor do que estima o mercado financeiro, de queda de 3,6%. Tombini admitiu que o BC vai revisar as suas estimativas até o fim do mês.

O presidente do BC destacou ainda as medidas de ajuste fiscal que vêm sendo adotadas, inclusive as anunciadas ontem (21) pelo ministro da Fazenda, Nelson Babosa. Entre as iniciativas estão o alongamento da dívida dos estados com a União pelo prazo de até 20 anos e a aplicação de uma carência de quatro anos para as dívidas também dos estados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Outra medida prevê a criação de reservas bancárias remuneradas como instrumento de política monetária.

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212