Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Oct de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Pior fase da turbulência financeira já passou, diz Guardia - Jornal Brasil em Folhas
Pior fase da turbulência financeira já passou, diz Guardia


A pior fase da turbulência financeira brasileira já passou, disse hoje (26) o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, que está em viagem à África do Sul. Em áudio divulgado pela assessoria da pasta, ele declarou que os mercados internacionais se ajustaram depois de várias semanas de instabilidade e ressaltou que o governo deixou de intervir no câmbio.

“Vivemos um momento de alta volatilidade no câmbio e nos juros. Nas últimas quatro semanas, não teve nenhuma intervenção no mercado de juros e de câmbio [oferta de novos contratos de venda de dólares no mercado futuro, swap cambial] e voltamos à normalidade. O CDS [risco país] está em baixa, os juros futuros caíram, o câmbio se estabilizou”, declarou o ministro, que participa da reunião de cúpula do Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – em Joanesburgo.

Segundo Guardia, a atuação da equipe econômica teve caráter excepcional, e o governo não pretende fixar um valor para o câmbio nem para os juros. “O Banco Central e o Ministério da Fazenda não definem nível de preço. A atuação só ocorre quando alguma disfuncionalidade no mercado”, acrescentou. Para o ministro, o caminho para manter a estabilidade no mercado consiste em prosseguir com as reformas estruturais.

O ministro da Fazenda ressaltou que o comunicado final do encontro representa um comprometimento com o equilíbrio fiscal para diminuir a vulnerabilidade das economias emergentes em meio a um cenário externo mais adverso. “No momento em que o mundo está indo para uma situação mais difícil, é muito importante reforçar as linhas de defesa. É fundamental que os países avancem nas reformas para ampliarem a capacidade de resistir a um cenário mais adverso. A gente conserta o telhado enquanto ainda está fazendo sol”, disse.

Para Guardia, no caso do Brasil, o principal problema da economia é o desequilíbrio fiscal, num país com os juros nos níveis mais baixos da história, inflação baixa e elevadas reservas internacionais. “Ninguém está falando em estímulo fiscal para crescimento econômico. Você precisa ter a situação fiscal sólida, arrumada para que possa enfrentar momentos de maior adversidade. Há momentos em que o mundo vai crescer mais, em que o mundo vai crescer menos. O Brasil precisa estar preparado para qualquer cenário”, ressaltou.

Leilão

O ministro classificou como bem sucedido o leilão de privatização da Cepisa, distribuidora da Eletrobras no Piauí. Segundo ele, o processo foi bem sucedido ao garantir a menor tarifa possível para o consumidor com compromisso de investimento. “O que eu quero chamar a atenção é: compromisso de investimento de mais de R$ 700 milhões numa empresa que precisa de investimento e o consumidor, na largada, vai pagar 8,5% a menos de preço de energia. Não é pouca coisa. Isso é extremamente importante”, ressaltou.

Em relação à privatização das outras cinco distribuidoras, Guardia disse que está aguardando o desbloqueio da liminar que impede o leilão da Ceal, distribuidora de energia da Eletrobras em Alagoas, para definir uma data para a venda. Ele disse que a data do leilão das outras quatro distribuidoras da estatal – que atendem Acre, Amazonas, Roraima e Rondônia – só será definida depois que o Senado aprovar projeto de lei que saneia financeiramente essas empresas.

Eleições

Guardia confirmou que tem conversado com assessores econômicos dos candidatos e pré-candidatos à Presidência da República. Ele não quis revelar o conteúdo das conversas, mas disse que o governo está repassando dados e explicando as ações desenvolvidas nos últimos dois anos. “Queremos estar abertos para dialogar com os economistas para que eles possam ter o melhor debate possível. A gente acha que, quanto mais informação, melhor a qualidade do debate. Depois das eleições, teremos trabalho de transição que faremos da melhor maneira possível”, concluiu.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Brasil tem mais de 2,5 milhões de professores
Polícia Ambiental busca jiboia desaparecida em prédio de Brasília
Justiça de Goiás bloqueia bens de Marconi Perillo e de ex-secretário
Partidos lançam frente de apoio à candidatura de Haddad
Governo decide manter começo do horário de verão em 4 de novembro
Polícia descobre autora de tratamento estético que matou mulher no Rio
Corregedor instaura processo para apurar exoneração de juíza no Pará
Mercosul repudia atos na Nicarágua e adverte sobre risco à democracia

MAIS NOTICIAS

 

Equipe de transição deve ser definida hoje à tarde, diz Caiado
 
 
ONS vai reforçar ações de segurança energética nas eleições e no Enem
 
 
Inflação medida pelo INPC sobe para 0,30% em setembro
 
 
Universidades particulares terão disciplina sobre primeira infância
 
 
Com Enem, horário de verão começa no dia 18 de novembro
 
 
Governo anuncia recursos de R$ 600 milhões para o ensino médio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212