Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ecoturismo é tema de debate em congresso sobre unidades de conservação - Jornal Brasil em Folhas
Ecoturismo é tema de debate em congresso sobre unidades de conservação


O Ministério de Meio Ambiente conseguiu destravar nos últimos anos projetos de criação de unidades de conservação que duplicaram as áreas protegidas, incluindo as marinhas. Segundo o secretário de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, José Pedro de Oliveira Costa, entre 2013 e 2016 ocorreu uma estagnação no número de projetos, impactando uma curva que vinha crescendo desde 2011.

O panorama mudou entre 2016 e 2018, quando foram criadas 20 unidades. Ele destacou o arquipélago dos Alcatrazes e a reserva Mico Leão Dourado, além da ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. “Isso foi fruto de um esforço coletivo e que contou com a colaboração da sociedade também”, disse o secretário, durante apresentação no IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), que ocorre em Florianópolis, e é organizado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

O secretário admitiu que, apesar de a definição das áreas protegidas ser feita com profunda avaliação técnica, são necessárias ações políticas para os projetos irem adiante. “Criar uma área protegida federal é uma coisa que depende de vários fatores e o principal deles é a vontade de fazer. Se não houver uma vontade férrea, realmente transformar em uma causa e várias pessoas fazerem acontecer, não sai, porque a resistência é grande”, disse Oliveira Costa.
Ecoturismo e renda

O professor do Departamento de Ecologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (UnB), Bráulio Dias, observou que o Brasil precisa aumentar esforços para abrir áreas protegidas para a visitação, mas ponderou que é necessário o mínimo de infraestrutura e de informação de qualidade. “É um caminho que não tem volta e a gente precisa avançar cada vez mais”.

Dias que já ocupou o cargo de secretário de Biodiversidade do MMA, lembrou ainda que a responsabilidade pelo meio ambiente é de todos embora os recursos nem sempre sejam no volume compatível. “O orçamento da área ambiental junto com a área de cultura sempre são os mais prejudicados”, disse.

A definição de recursos esteve também no centro da palestra do jornalista André Trigueiro que também é professor da Coppe UFRJ e da PUC-Rio. Ele contou que o ecoturismo é a área do setor que mais cresce no mundo e, por isso, é preciso estimar o valor dos serviços ambientais conforme fez o economista indiano Pavan Sukhdev, considerado o pai da economia verde, que desenvolveu um estudo independente junto com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), chamado de TEEB, Economia de Ecossistemas e da Biodiversidade. No documento a intenção é estipular o quanto esses serviços podem render com diversas atividades indiretas.

O jornalista lançou a proposta para que o Ministério da Fazenda desenvolva uma política tributária e fiscal que estimule a nova economia. “Uma política que precisa ser inteligente e antenada com o século XXI. Vou premiar o que não é descartável. Vou premiar o que é reutilizável. O Brasil tem unidades de conservação que pode ser monetizadas sem prejuízo à resiliência”, concluiu, acrescentando que outros países, que não têm as mesmas condições atrativas para o ecoturismo que o Brasil tem já fizeram isso. “Outros países conseguem transformar isso em um bom negócio. Não podemos ficar no gueto dos eco chatos biodesagradáveis. No século XXI a estratégia de luta é outra. Vamos falar o idioma deles”.

A chefe da Reserva Biológica Atol das Rocas, Maurizélia de Brito Silva, disse que a unidade de conservação se transformou ao longo dos 27 anos em que trabalha no local. No início tinha que enfrentar a pesca predatória, mas a situação mudou devido ao clima. “Os pescadores não se adaptaram ao ambiente insalubre, de sol e sal. As empresas de pesca desistiram de ocupar o atol, que tempo depois foi transformado em unidade de conservação”.

Hoje segundo Maurizélia, além da equipe do ICMBio, o atol recebe pesquisadores em uma área que continua sendo ampliada. “Ano passado nos aumentamos a área de proteção colocando no polígono de Rpocas uma zona de proteção da vida silvestre”.

*A repórter viajou a convite da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Enem será reaplicado hoje e amanhã para 2,7 mil estudantes
Manifestantes protestam durante a COP24 na Polônia
Ghosn é acusado formalmente de esconder renda pactuada com Nissan
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
Parlamentares discutem redução de emissões de gases de efeito estufa
Brasil atinge meta de redução de emissões de carbono na área florestal
Ibama espera levantar R$ 4 bi com conversão de multas em serviços
Chanceler defende permanência do Brasil no Pacto Global de Migração

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212