Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 OEA pode criar comissão para tentar solucionar situação na Nicarágua - Jornal Brasil em Folhas
OEA pode criar comissão para tentar solucionar situação na Nicarágua


O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) se reúne nesta quinta-feira (2) para discutir o projeto de resolução apresentado pelo Brasil e outros sete países, criando uma comissão especial para buscar soluções para a situação na Nicarágua. Cerca de 400 pessoas morreram em mais de 100 dias de protestos no pequeno país centro-americano, e milhares de nicaraguenses já estão cruzando a fronteira para a vizinha Costa Rica, fugindo da repressão e onda de violência – a pior desde o fim da guerra civil em 1990. Entre as vítimas fatais, uma brasileira, a estudante de medicina pernambucana Raynéia Gabrielle Lima, cujo corpo já foi liberado para repatriação.

A proposta de resolução – a segunda em duas semanas – é apoiada por Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos, México e Peru, além do Brasil. Esses mesmos países apresentaram uma primeira resolução, aprovada no dia 18 de julho, condenando a repressão das forcas de segurança e de grupos paramilitares, simpatizantes do presidente Daniel Ortega, e pedindo eleições antecipadas.

Ortega já disse que vai concluir seu terceiro mandato consecutivo, em 2021, e rejeitou o novo projeto de resolução, que precisa de 18 votos para ser aprovado. Segundo o presidente nicaraguense, trata-se de uma “ingerência” externa no seu país. Ele acusa os manifestantes de “golpismo” e os comparou a terroristas, do grupo fundamentalista islâmico ISIS. Um projeto de lei foi aprovado pelo Congresso da Nicarágua, de maioria governista, punindo o terrorismo com até 20 anos de prisão.
Protestos

Os protestos começaram no dia 18 de abril por causa de uma proposta de reforma da Previdência, que o governo acabou revogando. Mas os manifestantes continuam nas ruas, dessa vez contra a repressão e para pedir a saída de Ortega, que há 39 anos liderou a Revolução Sandinista contra a ditadura de Anastásio Somoza. Agora o presidente e sua mulher e vice, Rosário Murillo, são acusados - até por muitos antigos sandinistas – de quererem instalar uma dinastia politica no país igual a do ditador derrotado em 1979.

Em uma primeira etapa, o governo pediu à Igreja Católica que mediasse um diálogo com setores da sociedade civil (estudantes, agricultores, empresários e organizações de defesa dos direitos humanos, entre outros) para superar a crise. Os bispos aceitaram, desde que Ortega permitisse à Comissão Interamericana da Direitos Humanos (CIDH), da OEA, investigar as mortes e as prisões ocorridas durante as manifestações.

A CIDH já apresentou dois relatórios. Ambos responsabilizam as forças de segurança, franco-atiradores e grupos paramilitares, simpatizantes do governo, pelas mortes. Um grupo de investigadores analisou provas balísticas, depoimentos das vítimas e imagens e concluiu que o governo nicaraguense está “atirando para matar”.

O governo rejeitou a conclusão dos dois relatórios da CIDH, alegando que foram parciais, mas permitiu que a comissão continue investigando as denúncias. Também rejeitou a proposta feita pela Igreja Católica e demais setores que participaram do Dialogo Nacional de antecipar as eleições presidenciais para marco de 2019, para solucionar a crise. Ortega foi reeleito em 2016, mas a votação, sem a presença de observadores internacionais, foi questionada pela oposição.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212