Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 OEA pode criar comissão para tentar solucionar situação na Nicarágua - Jornal Brasil em Folhas
OEA pode criar comissão para tentar solucionar situação na Nicarágua


O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) se reúne nesta quinta-feira (2) para discutir o projeto de resolução apresentado pelo Brasil e outros sete países, criando uma comissão especial para buscar soluções para a situação na Nicarágua. Cerca de 400 pessoas morreram em mais de 100 dias de protestos no pequeno país centro-americano, e milhares de nicaraguenses já estão cruzando a fronteira para a vizinha Costa Rica, fugindo da repressão e onda de violência – a pior desde o fim da guerra civil em 1990. Entre as vítimas fatais, uma brasileira, a estudante de medicina pernambucana Raynéia Gabrielle Lima, cujo corpo já foi liberado para repatriação.

A proposta de resolução – a segunda em duas semanas – é apoiada por Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos, México e Peru, além do Brasil. Esses mesmos países apresentaram uma primeira resolução, aprovada no dia 18 de julho, condenando a repressão das forcas de segurança e de grupos paramilitares, simpatizantes do presidente Daniel Ortega, e pedindo eleições antecipadas.

Ortega já disse que vai concluir seu terceiro mandato consecutivo, em 2021, e rejeitou o novo projeto de resolução, que precisa de 18 votos para ser aprovado. Segundo o presidente nicaraguense, trata-se de uma “ingerência” externa no seu país. Ele acusa os manifestantes de “golpismo” e os comparou a terroristas, do grupo fundamentalista islâmico ISIS. Um projeto de lei foi aprovado pelo Congresso da Nicarágua, de maioria governista, punindo o terrorismo com até 20 anos de prisão.
Protestos

Os protestos começaram no dia 18 de abril por causa de uma proposta de reforma da Previdência, que o governo acabou revogando. Mas os manifestantes continuam nas ruas, dessa vez contra a repressão e para pedir a saída de Ortega, que há 39 anos liderou a Revolução Sandinista contra a ditadura de Anastásio Somoza. Agora o presidente e sua mulher e vice, Rosário Murillo, são acusados - até por muitos antigos sandinistas – de quererem instalar uma dinastia politica no país igual a do ditador derrotado em 1979.

Em uma primeira etapa, o governo pediu à Igreja Católica que mediasse um diálogo com setores da sociedade civil (estudantes, agricultores, empresários e organizações de defesa dos direitos humanos, entre outros) para superar a crise. Os bispos aceitaram, desde que Ortega permitisse à Comissão Interamericana da Direitos Humanos (CIDH), da OEA, investigar as mortes e as prisões ocorridas durante as manifestações.

A CIDH já apresentou dois relatórios. Ambos responsabilizam as forças de segurança, franco-atiradores e grupos paramilitares, simpatizantes do governo, pelas mortes. Um grupo de investigadores analisou provas balísticas, depoimentos das vítimas e imagens e concluiu que o governo nicaraguense está “atirando para matar”.

O governo rejeitou a conclusão dos dois relatórios da CIDH, alegando que foram parciais, mas permitiu que a comissão continue investigando as denúncias. Também rejeitou a proposta feita pela Igreja Católica e demais setores que participaram do Dialogo Nacional de antecipar as eleições presidenciais para marco de 2019, para solucionar a crise. Ortega foi reeleito em 2016, mas a votação, sem a presença de observadores internacionais, foi questionada pela oposição.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212