Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 OEA aprova comissão especial para acompanhar crise na Nicarágua - Jornal Brasil em Folhas
OEA aprova comissão especial para acompanhar crise na Nicarágua


O Conselho Permanente da Organização dos Estados Unidos (OEA) aprovou hoje (2) a criação de uma comissão especial para acompanhar a crise na Nicarágua. A decisão obteve 20 votos favoráveis, 4 contrários, 8 abstenções e 2 ausências. Foi a quarta vez que a organização se reuniu para debater a situação nicaraguense. Os representantes do Brasil, dos Estados Unidos, da Argentina, do Chile, da Colômbia, do Peru, do México e do Canadá defenderam a busca pelo diálogo nacional e soluções pacíficas na Nicarágua.

A sessão foi tensa, pois os representantes da Nicarágua, Venezuela e Bolívia rechaçaram a iniciativa, interpretada por eles como uma ingerência na política interna nicaraguense. Em contrapartida, os representantes do Brasil, da Costa Rica e Colômbia pediram a palavra para defender a medida como forma de garantir a preservação dos direitos humanos.

O diplomata Aurélio Viotti, representando o Brasil, defendeu a atuação da comissão em favor das liberdades públicas e direitos individuais. Ele prestou solidariedade às vítimas “da escalada de violência” e lembrou da trágica morte da estudante brasileira em Manágua, cujo corpo chega nesta sexta-feira (3) de madrugada ao Recife. Também ressaltou que o Brasil pediu que o embaixador do Brasil na Nicarágua foi chamado de volta.
Relatório da violência

Também nesta quinta-feira a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) divulgou relatório completo sobre a situação na violência na Nicarágua. Os dados estão no balanço verificado pelo Mecanismo Especial de Acompanhamento para a Nicarágua (Meseni), resultado do trabalho técnico feito por um grupo que foi à Nicarágua, no mês passado.

Os números de vítimas variam, de acordo com os analistas, mas ultrapassam 300 pessoas mortas, inclusive crianças, adolescentes, mulheres e policiais.

O documento detalhado menciona crise e ataque violento aos direitos humanos. O relatório Graves violações aos direitos humanos por ocasião dos protestos sociais na Nicarágua contém 98 páginas e está acessível na internet: http://www.oas.org/es/cidh/informes/pdfs/Nicaragua2018-es.pdf.

Desde 18 de abril, a Nicarágua vive protestos diários contra o governo do presidente Daniel Ortega, alvo de críticas dos manifestantes, que o acusam de repressão e violência.

Paralelamente, nicaraguenses buscam ajuda nos países vizinhos na tentativa de fugir da crise, considerada a pior desde o fim da guerra civil, em 1990. Entre as vítimas, está a estudante pernambucana de medicina Raynéia Gabrielle Lima, cujo corpo já foi liberado para repatriação.

Reações

O embaixador da Nicarágua na OEA, Denis Moncada, reagiu à decisão, atacando a medida. Segundo ele, a iniciativa aprovada é uma “ingerência intervencionista” no país e o mais “ponderado e prudente” seria rejeitar a proposta. De acordo com o diplomata, a Nicarágua manifesta um “enérgico protesto” contra a decisão.

Porém, o embaixador da Colômbia na OEA, Andrés González Díaz, rebateu as afirmações do diplomata nicaraguense. Segundo ele, a comissão especial atuará de maneira responsável em defesa dos direitos humanos.

O embaixador da Venezuela, Samuel Moncada, ao lado do representante da Bolívia, Diego Repay, rejeitou a atuação da comissão permanente na Nicarágua. De acordo com o venezuelano, o país é alvo de forças terroristas e pressão externa.

Em apoio à criação da comissão, o embaixador de Honduras, Leonidas Rosa Bautista, disse que o grupo de trabalho vai complementar os esforços que estão em curso para tentar uma solução pacífica e de fortalecimento das instituições na Nicarágua.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212