Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Câmara vota no dia 29 projeto de alongamento das dívidas dos estados - Jornal Brasil em Folhas
Câmara vota no dia 29 projeto de alongamento das dívidas dos estados


O projeto que alonga o prazo para o pagamento das dívidas que as unidades da Federação têm com a União deve ser votado na próxima terça-feira (29) na Câmara dos Deputados. Segundo o líder do governo na Casa, José Guimarães (PT-CE), os governadores fecharam hoje (22) o apoio para a proposta do governo que permitirá que os passivos sejam pagos em até 50 anos. A legislação atual prevê 30 anos para a quitação. “Os governadores apresentaram os termos do acordo firmado entre o governo federal e os estados e nós decidimos votar o projeto de lei complementar na terça-feira”, disse Guimarães.

Pela proposta, os governos locais poderão alongar a dívida com a União em 20 anos, de 2027 para 2047, e as dívidas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em dez anos. “Essa dívida é um entulho que vem desde 1987, não foi feita no atual governo, vem de longe. É melhor uma negociação que receba no futuro do que do jeito que está, que nunca vai receber”, afirmou Guimarães.

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, entregou a proposta na Câmara dos Deputados no final da tarde desta terça-feira (22) e o projeto vai tramitar em regime de urgência. “Temos que comemorar este grande acordo republicano que fortalece o pacto federativo”, disse o líder do governo.
Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros, recebe governadores e líderes para discutir dívidas dos estados e do Distrito Federal (Wilson Dias/Agência Brasil)

Os governadores reuniram-se com o presidente do Senado, Renan Calheiros, para pedir celeridade na tramitação da proposta quando ela chegar na Casa

Encontro com Cunha e Renan
O projeto foi o tema central de reunião dos chefes dos Executivos estaduais com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Após o encontro com Cunha, os governadores reuniram-se com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) para também pedir celeridade na tramitação da proposta.

A medida recebeu apoio dos 27 governadores e foi recebida como um alívio para os estados em meio a crise econômica. O governador de Goiás, Marconi Perillo, disse que a aprovação do projeto vai ajudar os estados a suportar este momento de crise. “É um colchão que os estados recebem em um momento em que as receitas caem e que a crise é danosa para a cidadania brasileira”, disse.

Juros
Pelo acordo, também ficou acertado com os líderes para que a Câmara não vote o projeto de decreto legislativo do deputado Esperidião Amin (PP-SC). O projeto do deputado altera a metodologia de cálculo dos juros dos estados e dos municípios. Em vez de juros compostos (quando as taxas são multiplicadas mês a mês), a dívida passaria a ser corrigida por juros simples (quando as taxas são somadas mês a mês). O governo estima que, caso o projeto de Amim fosse aprovado, a mudança no cálculo da dívida dos estados e dos municípios custaria R$ 300 bilhões à União.

Com a nova proposta, a renegociação da dívida dos estados não terá impacto fiscal em 20 anos porque todo o débito será pago, mas fará a União deixar de receber recursos no curto prazo. Caso todos os estados assinem até junho os acordos de renegociação, o governo federal deixará de arrecadar R$ 9,6 bilhões em 2016, R$ 18,6 bilhões em 2017 e R$ 17,3 bilhões em 2018.

“É um acordo que fortalece a todos, não tem prejuízo para a União. É uma renúncia, mas ao mesmo tempo são dívidas que são impagáveis. Foi melhor para o país e para os estados, até para eles terem mais fôlego para tomar medidas para retomada do crescimento da economia brasileira” disse o líder do governo.

Para recalcular as dívidas, o governo propõe a troca dos indexadores da dívida dos governos locais do IGP-DI mais 6%, 7,5% ou 9% ao ano pela taxa Selic ou IPCA mais 4% ao ano, prevalecendo o menor índice. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que a proposta apresentada pelo governo é a mais adequada.

“Primeiro mudou o indexador da dívida, passando para o IGP-DI para o IPCA mais 4 ou Selic, que é mais razoável. O IGP-DI oscila muito com o dólar. O alongamento da dívida também é necessário neste momento. Claro que o ideial seia que houvesse uma revisão, porque a taxa de juros foi muito alta”, disse.

A proposta também possibilita aos estados mais endividados pedir um desconto de 40% no valor das parcelas, limitado a R$ 160 milhões por mês, por até 24 meses, sendo o valor não pago nesse período transferido para as parcelas posteriores.

Em troca da renegociação, os governadores precisarão aprovar leis locais de responsabilidade fiscal, não conceder novos incentivos fiscais e não nomear novos servidores, salvos os casos de reposição por aposentadoria ou falecimento nas áreas de saúde, educação e segurança. Alckmin disse que o projeto proporciona um ganha-ganha. “Por um lado você permite melhorar o investimento e de outro lado você exige um rigor fiscal maior”, disse.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212