Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Senador Magno Malta critica ativismo do Supremo sobre julgar aborto - Jornal Brasil em Folhas
Senador Magno Malta critica ativismo do Supremo sobre julgar aborto


Ao participar de audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a descriminalização do aborto, o senador Magno Malta (PR-ES), representante da Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família, diz que a Corte exorbita competência ao julgar a ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 442) contra os artigos 124 e 127 do Código Penal (Lei 2.848/1940), que tipificam como crime o aborto provocado e assistência médica ao procedimento.

Segundo ele, a ação segue em julgamento na Corte por causa do “ativismo do Supremo”. Em sua avaliação, o processo deveria ser arquivado e a discussão promovida no Congresso Nacional.

“Ela [Rosa Weber, relatora da ação] tinha logo dizer que não tinha competência, mandar para o arquivo e remeter para o Parlamento”, disse após fazer exposição na audiência que termina hoje.

Para o senador, “criou-se a figura do parlamentar que não consegue aprovar as suas propostas nas comissões e nem no plenário e traz o recurso para o Supremo”. Ele fez a afirmação ao conceder entrevista à imprensa em crítica a representantes do PSOL, partido que ingressou com a ADPF no STF.

Em resposta, a ministra Rosa Weber assinalou que compete ao Supremo julgar a ação. “O Artigo 102 [da Constituição Federal] diz com todas as letras que ADPF será apreciada pelo STF na forma da lei”.

O debate durante a audiência visa dar subsídios ao relatório que Rosa Weber deverá apresentar. Não há data estabelecida. À imprensa, o senador Magno Malta prometeu que caso o aborto venha a ser descriminalizado, a frente parlamentar apresentará propostas revendo a legislação e mantendo o aborto até a 12ª semana de gestação na ilegalidade.

Atualmente, o aborto é permitido em casos de estupro, gestação de anencéfalos e se a mãe corre risco de morrer.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212