Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Manifestantes acompanham discussão sobre aborto na Argentina - Jornal Brasil em Folhas
Manifestantes acompanham discussão sobre aborto na Argentina


A poucas horas da votação no Senado da Argentina sobre a descriminalização do aborto, a praça em frente ao Congresso está parcialmente ocupada por manifestantes. Como ocorre entre os 72 senadores, os manifestantes estão divididos – entre defensores da proposta, que usam lenços verdes, e os que estão com lenços azuis, contrários. Ao longo do dia, os parlamentares discutirão e, em seguida, votarão o projeto que determinada a legalização da interrupção da gestação até 14 semanas de gravidez.

A expectativa é que a votação ocorra nesta noite ou nas primeiras horas de quinta-feira (9). O projeto de lei foi aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 14 de junho, depois de 23 horas de debates e por uma diferença de apenas 4 votos - 129 votos favoráveis e 125 contrários.

As discussões de hoje (8) que estavam marcadas para começar ao meio-dia foram antecipadas. “Os senadores fizeram isso para evitar a pressão das ruas”, disse à Agência Brasil Andrea Zamparini, uma das coordenadoras da campanha pela legalização do aborto. “As mobilizações iam começar ao meio-dia e, depois das cinco da tarde, quando as pessoas começam a sair do trabalho, lotaríamos a praça.”

Apesar da mudança de horário, desde cedo manifestantes cercavam o Congresso, para tentar influenciar os senadores. Dos 72 senadores, às vésperas da votação, 38 se manifestaram contrários e 31 favoráveis.

Pela legislação da Argentina, o aborto é permitido apenas em casos estupro ou ameaça de morte para gestante.

Os defensores da lei argumentam que o aborto continuará sendo praticado de forma clandestina, apesar de proibido, e que a legalização deve ocorrer como forma de salvar a vida das mulheres, que morrem ou tem problemas de saúde porque não tiveram acesso a um hospital.

Os contrários à proposta se opõem ao aborto porque afirmam que o feto é um ser humano e aprovar a descriminalização seria autorizar o homicídio. Esses grupos contam com apoio da Igreja Católica e do Papa Francisco, que é argentino.

Edição: Lílian Beraldo

 

Últimas Notícias

Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212