Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Haddad diz que reforma do sistema bancário é prioridade - Jornal Brasil em Folhas
Haddad diz que reforma do sistema bancário é prioridade


A uma plateia de empresários dos setores de comércio e de serviços, o candidato a vice-presidente da República na chapa do PT, Fernando Haddad, representando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba, disse nesta terça-feira (14) que uma das primeiras medidas de uma eventual administração petista será a reforma do sistema bancário para diminuir os juros ao crédito.

“Temos que dar um basta à oligopolização dos bancos, e isso não virá sem dor para os banqueiros”, afirmou. “Vamos ter que conviver por muito tempo com quatro ou cinco bancos respondendo por 80%, 90% do crédito. Teremos que mudar a legislação tributária dos bancos: quanto mais o banco cobrar de spread [bancário], mais impostos vai ter que pagar”.

Além de Haddad, outros quatro candidatos à Presidência da República participam hoje (14) do Diálogo Eleitor, promovido pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs), que reúne oito instituições dos dois setores.

Ao representar o ex-presidente Lula no debate, Haddad, ex-prefeito de São Paulo e coordenador do programa de governo do PT, destacou que a chapa encabeçada por Lula será registrada amanhã (15) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Fico feliz de a Unecs ter aberto a possibilidade de um representante do presidente Lula trazer a sua mensagem. Faço isso na condição de seu companheiro de chapa”, disse.

Para destravar a economia, em um eventual governo do PT, Haddad defendeu a reforma tributária com a adoção do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), a isenção de Imposto de Renda para quem ganha até cinco salários mínimos e a tributação de dividendos.

Outra medida apontada por Haddad é a manutenção da responsabilidade fiscal, mas sem a adoção do teto dos gastos públicos para que o Estado possa continuar a fazer investimentos.“O chamado teto do gasto inviabiliza a gestão pública”, destacou. “Não faz sentido manter o Estado congelado por 20 anos. Ele precisa ter alguma folga orçamentária para permitir que com gastos eficientes e transparentes, busquemos produtividade na infraestrutura”.

Perguntado sobre a reforma da Previdência, Haddad defendeu o debate sobre o tema com a população, por meio de mesas redondas com governadores e prefeitos para discutir os regimes próprios do funcionalismo. Disse ainda que é possível pensar em um referendo para discutir o assunto, mas observou que o programa de governo do PT não vai “penalizar os mais pobres”.

Segundo o candidato a vice, o plano de governo do PT prevê a retomada de obras paradas de programas como o Minha Casa, Minha Vida, para gerar empregos na construção civil no curto prazo. Haddad ressaltou que o programa habitacional vai se concentrar em áreas com infraestrutura urbana já instalada.

Questionado sobre segurança nas fronteiras, Haddad afirmou que, se a chapa for eleita, a gestão petista vai antecipar a entrega do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron). Outra proposta é estabelecer que a Polícia Federal faça o “ciclo completo” do combate ao crime organizado.

Pela manhã, os presidenciáveis Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT) e Henrique Meirelles (MDB) debateram suas propostas para a retomada da economia, especialmente para a modernização do ambiente de negócios. O último a apresentar os principais pontos de seu programa de governo é o candidato Geraldo Alckmin (PSDB).

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212