Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Há integração entre as polícias no caso Marielle, diz secretário do RJ - Jornal Brasil em Folhas
Há integração entre as polícias no caso Marielle, diz secretário do RJ


O secretário de Estado de Segurança do Rio de Janeiro, general Richard Nunes, disse hoje (14) que a Polícia Federal colabora desde o início com as investigações do caso Marielle Franco, vereadora que foi executada há cinco meses ao lado do motorista Anderson Gomes. Ele lembrou que existe uma integração entre as policiais e que foram os federais que periciaram a munição usada no crime.

“A Policia Federal tem cooperado conosco desde o início, até porque estamos integrados. A própria questão da investigação da munição que foi encontrada, foi colocado um pedido à Polícia Federal, que executou a perícia, temos um diálogo permanente, trabalho permanente, trabalho de inteligência integrado. Desde sempre a Polícia Federal tem participado e cooperado conosco, então não vejo problema nenhum quanto a isso”.

O general disse que o caso é muito complexo e que tinha “relação com a atuação política dela e do grupo que ela pertencia”, decidindo por manter o sigilo desde o início. Nunes afirmou que tem reuniões semanais com a equipe de investigação.

“A Divisão de Homicídio e a Delegacia de Homicídios da capital têm feito um trabalho extraordinário, exaustivo. Da mesma forma que eu presto conta semanalmente ao general Braga Netto [interventor federal na segurança do Rio de Janeiro], semanalmente a Divisão de Homicídios presta conta para mim do avançar dessa investigação”.

Nunes comentou o caso durante o seminário Segurança e Normalidade nas eleições, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ao responder uma pergunta sobre a oferta feita ontem (13) pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. O ministro colocou a Polícia Federal e o Ministério Público Federal à disposição do Rio de Janeiro para colaborar nas investigações da morte da vereadora e do motorista.

De acordo com o secretário, já foram produzidos nove volumes de investigação e a dificuldade “é inerente à própria maneira como esse crime foi praticado”. “Ninguém aqui faz promessa de prazos e datas, a nossa promessa é trabalho. E eu sou testemunha do trabalho intenso que a equipe que está investigando esse caso tem realizado”, disse o general.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212