Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Banqueiro é preso no Rio em operação da Lava Jato - Jornal Brasil em Folhas
Banqueiro é preso no Rio em operação da Lava Jato


Agentes da Polícia Federal prenderam hoje (16) o banqueiro Edson Menezes. Ele é ex-superintendente do Banco Prosper e ex-presidente da Bolsa de Valores. Menezes, conhecido como Grande, é investigado pelo pagamento de propina para a contratação do Banco Prosper no processo de leilão do Banco do Estado do Rio de Janeiro (Berj).

Segundo as investigações da Lava-Jato no Rio, ele teria pago R$ 3,12 milhões de propina ao grupo do ex-governador Sérgio Cabral. Parte do pagamento foi feito em dólares, em espécie, e o restante em garrafas de vinho que, segundo o Ministério Público Federal, valem mais de mil dólares no mercado internacional. O pagamento foi feito por meio da Remop Investments, uma das off-shores de Menezes. O banqueiro foi preso no seu apartamento no Leblon, Zona Sul do Rio. Os policiais vão também a outros seis endereços ligados ao ex-superintendente da Prosper.

Em 2006, o governo do Rio contratou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para uma consultoria para avaliar o preço mínimo do Berj. Em 2010, o edital de leilão do banco previu um pagamento de 3%, R$ 3,12 milhões, sobre o total alcançado na venda para o pagamento da consultoria independente. De acordo com os procuradores da República, estes elementos confirmam o depoimento de um dos delatores da Lava-Jato de que Sérgio Cabral condicionou o leilão do Berj à contratação do Prosper.

As investigações também comprovaram outras cinco operações de dólar-cabo (quado o cliente entrega o dinheiro em reais no Brasil e recebe os dólares no exterior).em lavagem de capitais feitas pela Remo Investments com os irmãos Marcelo e Renato Chebar, operadores financeiros de Cabral.

Também ficou comprovado, segundo o MPF, relações de amizade entre Menezes e Carlos Nuzman, denunciado na Operação Unfair Play, e que integrou o Conselho da Riopar Participações, ao lado de Marcelo Traça, Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira, todos denunciados na Operação Ponto Final.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212