Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Propina de empresas de ônibus do Rio alcançou R$ 250 milhões - Jornal Brasil em Folhas
Propina de empresas de ônibus do Rio alcançou R$ 250 milhões


O volume de dinheiro pago por empresas de ônibus do Rio de Janeiro a políticos chegou a R$ 250 milhões em apenas quatro anos. A informação foi passada pelo empresário Marcelo Traça Gonçalves, durante interrogatório realizado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. A audiência, realizada nesta quarta-feira (15), é referente à Operação Cadeia Velha.

Traça chegou a ser preso durante um mês, em julho de 2017, durante a Operação Ponto Final, mas acabou beneficiado por decisão expedida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto. Acabou virando colaborador da Justiça.

Na audiência, ele contou que era comum terem de pagar propinas milionárias para evitar que projetos fossem votados na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) prejudicando as empresas de ônibus e também para que elas não sofressem multas por descumprimento de horários ou outras irregularidades.

Outro motivo alegado por Traça para o pagamento de propina era garantir que o governo reprimisse o transporte clandestino, principalmente de vans, que concorriam ilegalmente com as linhas de ônibus.

Segundo Traça, o total de propina paga pelas empresas por meio da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) poderia ser até ligeiramente superior aos R$ 250 milhões, contabilizados apenas entre 2013 e 2016. Ele contou que, mesmo com a Operação Lava Jato em curso, os pagamentos de propina continuaram.

Entre os réus da Operação Cadeia Velha, estão o presidente licenciado da Alerj, deputado Jorge Picciani, e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do MDB.

Antes de Traça, prestou depoimento a Bretas o ex-executivo da Odebrecht Benedicto Júnior, que afirmou ter feito, em 2014, pagamento em caixa dois de R$ 23 milhões à campanha do atual governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, que negou, por meio de nota, ter recebido dinheiro de forma ilegal.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212