Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Propina de empresas de ônibus do Rio alcançou R$ 250 milhões - Jornal Brasil em Folhas
Propina de empresas de ônibus do Rio alcançou R$ 250 milhões


O volume de dinheiro pago por empresas de ônibus do Rio de Janeiro a políticos chegou a R$ 250 milhões em apenas quatro anos. A informação foi passada pelo empresário Marcelo Traça Gonçalves, durante interrogatório realizado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. A audiência, realizada nesta quarta-feira (15), é referente à Operação Cadeia Velha.

Traça chegou a ser preso durante um mês, em julho de 2017, durante a Operação Ponto Final, mas acabou beneficiado por decisão expedida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto. Acabou virando colaborador da Justiça.

Na audiência, ele contou que era comum terem de pagar propinas milionárias para evitar que projetos fossem votados na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) prejudicando as empresas de ônibus e também para que elas não sofressem multas por descumprimento de horários ou outras irregularidades.

Outro motivo alegado por Traça para o pagamento de propina era garantir que o governo reprimisse o transporte clandestino, principalmente de vans, que concorriam ilegalmente com as linhas de ônibus.

Segundo Traça, o total de propina paga pelas empresas por meio da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) poderia ser até ligeiramente superior aos R$ 250 milhões, contabilizados apenas entre 2013 e 2016. Ele contou que, mesmo com a Operação Lava Jato em curso, os pagamentos de propina continuaram.

Entre os réus da Operação Cadeia Velha, estão o presidente licenciado da Alerj, deputado Jorge Picciani, e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do MDB.

Antes de Traça, prestou depoimento a Bretas o ex-executivo da Odebrecht Benedicto Júnior, que afirmou ter feito, em 2014, pagamento em caixa dois de R$ 23 milhões à campanha do atual governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, que negou, por meio de nota, ter recebido dinheiro de forma ilegal.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212