Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Sem autorização de Ortega, grupo da OEA está em compasso de espera - Jornal Brasil em Folhas
Sem autorização de Ortega, grupo da OEA está em compasso de espera


Sem o reconhecimento do governo nicaraguense, o Grupo de Trabalho, criado pelo Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), está em suspenso, pois aguarda para designar integrantes e definir as ações. Criado há 12 dias, o grupo tem a missão de levantar informações e analisar a situação na Nicarágua em crise há quase quatro meses.

Oficialmente, a OEA quer que o Grupo de Trabalho contribua para buscar soluções pacíficas e sustentáveis para o governo do presidente Daniel Ortega em comum acordo com as organizações não governamentais e a Igreja Católica, que iniciou a mediação do diálogo. Há os que defendem a realização de eleições e o fim do governo Ortega.

Participam do grupo 12 países: Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Estados Unidos, México, Guiana, México, Panamá e Peru. Ainda não há diplomatas designados.

A criação do Grupo de Trabalho durante sessão do Conselho Permanente da OEA gerou discussões acaloradas. A aprovação contou com 20 votos a favor, quatro contra (Bolívia, Nicarágua, San Vicente e Granadinas, além da Venezuela), oito abstenções (Barbados, Belize, El Salvador, Guatemala, Haiti, San Kitts e Nevis, Suriname, Trinidad e Tobago) e dois ausentes (Dominica e Grenada).

Na sessão, os representantes da Nicarágua e Bolívia acusaram de ingerência na política o Brasil e demais países que apoiaram a criação do Grupo de Trabalho.

Reações

Ortega criticou a criação do Grupo de Trabalho. Segundo ele, é uma política intervencionista contra seu governo. [Esses] governos deveriam primeiro checar suas casas, pois têm tantos problemas, tantos crimes cometidos diariamente nesses países, reagiu.

Para o presidente, os Estados Unidos pautam e estabelecem as diretrizes na OEA sobre a crise que ocorre na Nicarágua.
Crise

Os protestos contra Ortega começaram em 18 de abril. Segundo dados de distintas organizações, já morreram de 317 a 448 pessoas, incluindo crianças e mulheres. Os números são incertos. O governo confirma 198. A crise na Nicarágua é considerada a mais violenta desde a década de 1980.

Manifestantes iniciaram os protestos em reação à reforma da Previdência, em abril, logo depois o movimento cresceu em reação à repressão política e à violência policial. Ortega nega as acusações. Segundo ele, é vítima de ações terroristas.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212