Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pacaraima vive aparente clima de tranquilidade, diz pároco da cidade - Jornal Brasil em Folhas
Pacaraima vive aparente clima de tranquilidade, diz pároco da cidade


Três dias depois da agressão de moradores de Pacaraima (RR) a imigrantes venezuelanos, quando atearam fogo a seus pertences e os expulsaram de barracas e abrigos, em um princípio de revolta contra a presença deles na cidade, ainda há um clima de tensão entre os imigrantes, apesar de a situação na cidade estar mais tranquila, de acordo com relato do pároco da Paróquia de Pacaraima, padre Jesus. Há ainda, segundo o padre, temor de que o governo venezuelano retalie as agressões com corte de energia e gasolina que abastecem o município brasileiro.

O padre disse que muitos venezuelanos ainda estão voltando para o país de origem ou indo para abrigos da capital do estado, Boa Vista. Outros ficaram na cidade venezuelana de Santa Elena de Uiaren, fronteira com Pacaraima, e podem voltar ao Brasil quando a situação normalizar. Cerca de 1,2 mil venezuelanos cruzaram de volta a fronteira do país com o Brasil após o conflito.

“A situação aqui está aparentemente calma, uma calma tensa. Hoje, no café da manhã, veio bastante gente, umas mil pessoas. Então, parece que pouco a pouco está normalizando, mas é uma calma estranha, cheia de temores. Está longe de ser normal, eles ainda estão com medo”, disse à Agência Brasil.

A Paróquia de Pacaraima serve diariamente café da manhã para cerca de 1.600 imigrantes venezuelanos. Depois do conflito do último sábado (18), menos de mil pessoas têm procurado o serviço. Ontem (20), apenas 600 apareceram para tomar o café, disse o padre.

As 160 crianças venezuelanas, muitas delas indígenas, que frequentam o centro de atendimento da Pastoral também não estão indo às aulas. Segundo recomendação das Nações Unidas, elas devem esperar três dias para voltar aos estudos.

Desde a eclosão da crise na Venezuela, milhares de venezuelanos se instalaram na pequena cidade de Pacaraima, situada na fronteira com o país vizinho. Atualmente, cerca de 4 mil imigrantes estão em abrigos ou nas ruas da cidade, que tem cerca de 12.300 habitantes, segundo estimativa do IBGE de 2017.

Para a irmã Rosita Milesi, coordenadora do Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH), é inaceitável que os imigrantes permaneçam em situação de rua, vulneráveis à violência e outros tipos de violação de direitos. “Deixar o povo [imigrantes] dormindo nas ruas não é solução. Esse é o grande problema. Não é conveniente, não é digno, adequado. Ademais, a população fica com dificuldade, não é justo deixá-las na rua esperando atendimento. Isso para mim é um problema sério”, avaliou a religiosa.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212