Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Insegurança é a maior preocupação dos uruguaios, diz pesquisa - Jornal Brasil em Folhas
Insegurança é a maior preocupação dos uruguaios, diz pesquisa


Uma pesquisa feita pela empresa Cifra – financiada por empresas públicas e privadas, partidos políticos, organismos do Estado e organizações internacionais – mostrou que a insegurança é atualmente a maior preocupação da população do Uruguai. Há alguns anos o desemprego deixou de ser o grande medo dos uruguaios e a insegurança passou a dominar a lista dos problemas.

Conhecido por ser um país calmo e pacífico, o Uruguai figura entre os 37 países mais seguros do mundo, de acordo com o Índice Global da Paz (Global Peace Index 2018). Entre os países da América do Sul, os uruguaios perdem apenas para os chilenos, que estão classificados na 28ª posição. O Brasil está em 106º no ranking.

Há ainda outro indicador em que o Uruguai está bem classificado: é o Índice Mundial de Segurança Interna e Polícia (WISPI, da sigla em inglês). Entre os 127 países listados, Uruguai está em 35º.

No entanto, a nova pesquisa divulgada ontem (20) revelou que a sensação de insegurança têm aumentado sistematicamente. Já são 6 em cada dez uruguaios que apontam a insegurança como o principal problema da atualidade.

Em comparação com o ano passado, houve um aumento substancial do percentual de pessoas que afirmaram se sentir inseguros (passando de 43% em 2017, para 61% em 2018).

Uma das perguntas feitas a 814 uruguaios foi sobre o medo de serem atacados fisicamente por um desconhecido. Metade dos entrevistados respondeu que sim, sendo que 40% afirmaram já terem sentido medo em mais de uma ocasião e 9% afirmaram ter sentido apenas uma vez. O país tem uma população de cerca de 3,5 milhões de habitantes apenas.

Nas cidades do interior, o medo de ser agredido fisicamente é menor (44%), em comparação à capital Montevidéu (54%). No entanto, mesmo na capital, a sensação de insegurança varia, sendo maior na periferia (56%) do que na zona costeira e nos bairros com maior nível socioeconômico (48%).

Em relação ao gênero dos entrevistados, a insegurança também variou, sendo que 53% das mulheres afirmou ter medo de agressões físicas, contra 43% dos homens. Já em relação à idade, os idosos acima de 60 anos, diferente do que se costuma observar, afirmaram sentir menos medo (41%) de ataques físicos do que os jovens entre 17 e 29 anos (59%).

Problemas econômicos como desemprego e alto custo de vida aparecem muito atrás da questão da insegurança, com apenas 13%. Questões vinculadas à educação (10%) e à política e corrupção (8%), também aparecem como secundárias quando comparadas à insegurança.

De acordo com a Cifra, foram ouvidas, 814 pessoas, por telefone, entre os dias 16 de julho e 1º de agosto.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212