Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Críticas a teto de gastos são infundadas, diz Guardia a empresários - Jornal Brasil em Folhas
Críticas a teto de gastos são infundadas, diz Guardia a empresários


O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse serem infundadas as críticas ao limite do teto de gastos. Ele admitiu, no entanto, que o cumprimento da emenda constitucional 95 de 2016, que limita por 20 anos os gastos públicos, apenas será possível, nos próximos anos, com a aprovação da Reforma da Previdência.

“A crítica ao teto para mim é infundada. O ajuste do teto é para que, em dez anos, a gente saia de 20% do PIB [desembolsados nos gastos públicos] e volte para 15%, que era o que a gente tinha antes”, disse na noite de ontem (20) em evento promovido pelo Jornal Valor Econômico.

“Desde o início, nós fomos claros que o cumprimento do teto de gastos exige a reforma da previdência. Ela é absolutamente necessária, nós gastamos 13%, 14% do PIB [Produto Interno Bruto] com previdência, isso é o que gasta Japão, Alemanha, França, que são países que a população já envelheceu. A nossa ainda não envelheceu e vai envelhecer”, acrescentou.
Revisão de gastos

O ministro da Fazenda ressaltou que, além da reforma da previdência, o país precisará se empenhar em reestruturar todos os gastos do governo federal, incluindo as despesas obrigatórias.

“Além da reforma da previdência, outras reformas serão necessárias, não tenhamos ilusão”, disse. “A gente vai ter que rever toda a estrutura de despesa do governo federal. Nós já começamos a cortar despesas com subsídios, nós vamos ter de olhar despesa obrigatória, existe espaço para ter uma melhor gestão da despesa obrigatória, tem programas que teremos de rever ao longo do tempo, tem uma agenda fiscal longa”, enumerou.

Guardia destacou ainda que, caso o teto de gastos não seja cumprido, a receita é a seguir o que a emenda constitucional determina. “A emenda constitucional criou já mecanismo automático de ajuste. Se em determinado ano, nós estourarmos o teto, no ano seguinte não pode dar reajuste, não pode contratar servidor, não pode fazer concurso, não pode criar programa. Tem uma série de regras que, evidentemente, são duras”, disse.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212