Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Críticas a teto de gastos são infundadas, diz Guardia a empresários - Jornal Brasil em Folhas
Críticas a teto de gastos são infundadas, diz Guardia a empresários


O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse serem infundadas as críticas ao limite do teto de gastos. Ele admitiu, no entanto, que o cumprimento da emenda constitucional 95 de 2016, que limita por 20 anos os gastos públicos, apenas será possível, nos próximos anos, com a aprovação da Reforma da Previdência.

“A crítica ao teto para mim é infundada. O ajuste do teto é para que, em dez anos, a gente saia de 20% do PIB [desembolsados nos gastos públicos] e volte para 15%, que era o que a gente tinha antes”, disse na noite de ontem (20) em evento promovido pelo Jornal Valor Econômico.

“Desde o início, nós fomos claros que o cumprimento do teto de gastos exige a reforma da previdência. Ela é absolutamente necessária, nós gastamos 13%, 14% do PIB [Produto Interno Bruto] com previdência, isso é o que gasta Japão, Alemanha, França, que são países que a população já envelheceu. A nossa ainda não envelheceu e vai envelhecer”, acrescentou.
Revisão de gastos

O ministro da Fazenda ressaltou que, além da reforma da previdência, o país precisará se empenhar em reestruturar todos os gastos do governo federal, incluindo as despesas obrigatórias.

“Além da reforma da previdência, outras reformas serão necessárias, não tenhamos ilusão”, disse. “A gente vai ter que rever toda a estrutura de despesa do governo federal. Nós já começamos a cortar despesas com subsídios, nós vamos ter de olhar despesa obrigatória, existe espaço para ter uma melhor gestão da despesa obrigatória, tem programas que teremos de rever ao longo do tempo, tem uma agenda fiscal longa”, enumerou.

Guardia destacou ainda que, caso o teto de gastos não seja cumprido, a receita é a seguir o que a emenda constitucional determina. “A emenda constitucional criou já mecanismo automático de ajuste. Se em determinado ano, nós estourarmos o teto, no ano seguinte não pode dar reajuste, não pode contratar servidor, não pode fazer concurso, não pode criar programa. Tem uma série de regras que, evidentemente, são duras”, disse.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212