Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rio antigo ressurge em ossadas encontradas no caminho do VLT - Jornal Brasil em Folhas
Rio antigo ressurge em ossadas encontradas no caminho do VLT


Em uma cidade que viveu obras constantes para os grandes eventos dos últimos anos, fazia tempo que um canteiro no centro da cidade não chamava tanta atenção. A descoberta de 15 ossadas humanas no percurso da nova linha do veículo leve sobre trilhos (VLT) do Rio de Janeiro concentrou curiosos na Avenida Marechal Floriano, enquanto arqueólogos meticulosamente tomavam notas e trabalhavam na coleta de informações para a retirada de parte dos restos mortais.

Os corpos encontrados foram deixados para trás quando a Igreja de São Joaquim foi destruída em 1904, em meio às reformas urbanas do prefeito Francisco Pereira Passos. Construído em estilo barroco, o templo seguia a tradição católica da época de sepultar fiéis abastados no interior de sua estrutura, o que faz com que os pesquisadores acreditem que os corpos sejam de membros da elite carioca de outras épocas.

Três dos 15 esqueletos já foram retirados pela empresa Artefato Patrimônio Arqueológico, contratada pela concessionária VLT Carioca para cuidar de todo o material de importância histórica que se esperava encontrar no caminho dos bondes. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) acompanha o trabalho e determinou que o destino final dos corpos será a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Coordenadora da pesquisa arqueológica, Madu Gaspar contou que a as ossadas precisarão ser levadas para um local onde possam secar lentamente, porque o solo do Rio de Janeiro é repleto de umidade, o que atrapalhará a conservação.

“O Rio tem uma história antiga. Se for aberta qualquer via, aparecerão indícios e testemunhas das antigas ocupações. Não só as coloniais, como as pré-coloniais, antes da invasão europeia”, disse ela, explicando que o trabalho não é apenas retirar os restos mortais das covas. “É um trabalho muito lento. Os ossos são frágeis e têm que ser trabalhados com muito cuidado. É preciso fazer um bom registro, com desenhos, fotografias e tomadas topográficas para que possamos juntos reconstruir essa história”.

O arquiteto do Iphan Paulo Vidal destacou ainda que a igreja demolida tem sua história intimamente ligada à do Colégio Pedro II, que fica ao lado das escavações. Pesquisadores relacionam a fundação do colégio à estrutura do Seminário de São Joaquim. Quando o império inaugurou o colégio, em 1837, foi rezada uma missa com a presença da família real, e Pedro II, na época com 12 anos, era um dos presentes.

“Houve uma missa, como era de praxe, e provavelmente a missa foi aqui na Igreja de São Joaquim. A igreja tem uma série de histórias para ser contada a partir desses achados”, disse Paulo.
Cemitério de escravos

Para preservar ao máximo a história no trajeto do VLT, o Iphan vem recomendando cuidados como lajes menos profundas para os trilhos e pequenos desvios. Além da Igreja de São Joaquim, foi localizada uma parte do passado escravagista do Brasil no caminho do VLT. No Largo de Santa Rita, a metros de distância, foi encontrado um cemitério para pessoas traficadas da África para trabalhos forçados no país.

No caso desse cemitério, Paulo conta que a opção foi manter os corpos no local e não fazer intervenções. Além disso, será sinalizada a presença do cemitério por uma questão de respeito à memória e conscientização. “Lá há uma questão diferente porque temos uma comissão onde os representantes de entidades de matriz africana participam e decidimos que vamos mexer o mínimo possível no cemitério. Há uma questão do respeito à ancestralidade que é inerente à cultura africana”.

Estudos indicam que os africanos mortos nos tumbeiros ou ao chegarem ao Rio eram enterrados em frente à Igreja de Santa Rita, atual Largo de Santa Rita, entre 1722 e 1769. O local ficava perto do mercado de escravos da Praça XV e distante do Largo da Carioca, onde ficava a nobreza. Os corpos teriam sido descartados em covas rasas, muitos, cobertos de doenças, como as bexigas de varíola, provocadas pelas péssimas condições do translado.

Curiosidade

O trabalho dos arqueólogos reuniu cariocas que viram as notícias sobre os corpos na TV e na internet. A técnica de enfermagem Gislaine Cristina, de 55 anos, estava levando o filho para resolver questões burocráticas no Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e parou para acompanhar as escavações. “Não me surpreendeu porque já se tinham feito outras descobertas como no Cais do Valongo, mas foi a oportunidade de ver perto”, disse ela.

Enquanto tentavam identificar se os corpos eram de crianças ou adultos, pelo tamanho, os pedestres apontavam e faziam fotos. “A igreja ficava no meio do caminho. Derrubaram e asfaltaram. O que estava embaixo ficou”, disse o aposentado Paulo Rosário, de 58 anos.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida
Bolsonaro reitera que decisão sobre médicos cubanos é humanitária

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212