Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Toffoli nega liminar a ex-chefe de gabinete de deputado do MDB do Rio - Jornal Brasil em Folhas
Toffoli nega liminar a ex-chefe de gabinete de deputado do MDB do Rio


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli indeferiu pedido de liminar da defesa de Andreia Cardoso do Nascimento, ex-chefe de gabinete do deputado estadual Paulo Melo (MDB-RJ), que pretendia a revogação de sua prisão preventiva. A prisão preventiva de Andreia foi decretada no âmbito da Operação Cadeia Velha, que investiga o pagamento de propina a deputados estaduais do Rio de Janeiro por empresários do setor de transporte de passageiros.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), de 2010 a 2015, Andreia recebeu os repasses feitos em dinheiro ao deputado Paulo Melo pela Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). O montante foi superior a R$ 40 milhões.

O pedido de habeas corpus foi impetrado contra decisão de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou recurso lá apresentado e manteve a custódia cautelar. No Supremo, a defesa sustentou que Andreia não oferece risco à ordem pública e à instrução criminal, mas está presa preventivamente há mais de nove meses sem que tenha sido apurado qualquer envolvimento dela nos fatos investigados.

No habeas corpus, a defesa pediu a revogação do decreto de prisão preventiva ou sua substituição por medidas cautelares alternativas.

Decisão

Na decisão, o ministro Dias Toffoli diz que, em uma análise preliminar, não foi detectado flagrante constrangimento ilegal que autorize colocar a acusada em liberdade, especialmente em razão dos argumentos do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) e do STJ quanto à necessidade de se interromper a atividade criminosa do grupo investigado. Toffoli lembrou que o Supremo tem precedentes no sentido de que a gravidade do crime e a probabilidade de reiteração criminosa justificam a decretação da custódia cautelar para a garantia da ordem pública.

O relator argumentou ainda que a existência de condições subjetivas favoráveis à acusada, tais como primariedade e bons antecedentes não impedem a prisão cautelar, desde que estejam presentes elementos concretos a recomendar sua manutenção, o que, conforme o ministro, se verifica no caso.

“A análise de provas alusivas à participação, ou não, de investigado em ações criminosas deve ser feita na instrução da ação penal, e não por meio de habeas corpus”, destacou ainda o ministro.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212