Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 SP: Justiça arquiva caso de jovem morto por PMs na Favela do Moinho - Jornal Brasil em Folhas
SP: Justiça arquiva caso de jovem morto por PMs na Favela do Moinho


A juíza Renata Mahalem da Silva Teles acolheu decisão do Ministério Público (MP) do estado de São Paulo e arquivou a investigação da morte do jovem Leandro de Souza Santos, 18 anos, por policiais militares da Rota – batalhão de elite da Polícia Militar (PM) de São Paulo – durante operação na Favela do Moinho, região central da capital. O jovem de 18 anos chegou a ser socorrido na ocasião e levado para o Hospital Santa Casa, mas não resistiu e morreu ainda na entrada do pronto-socorro.

Para a promotoria, os dois policiais investigados que acertaram Leandro com quatro tiros dentro de uma casa na comunidade agiram em legítima defesa após disparos feitos pelo jovem. No entanto, o laudo residuográfico – que verifica restos de pólvora provenientes de disparos de arma de fogo – das mãos de Leandro deu resultado negativo.

Segundo o promotor Rubens Andrade Marconi, que pediu o arquivamento, as testemunhas reforçaram o depoimento dos policiais militares Pierre Alexandre de Andrade e José Carlos Paulino da Costa, que “agiram em estrito cumprimento do dever legal” ao atirarem contra Leandro.

Testemunhas ouvidas poucos dias depois da ocorrência afirmaram que os policiais ficaram mais de uma hora com Leandro dentro da casa onde ele foi atingido.

Impunidade

No entanto, para o advogado Ariel de Castro Alves, coordenador da Comissão da Infância e Juventude do Conselho Estadual de Direitos da Pessoa Humana (Condepe), que acompanha o caso, havia desde o início muitos indícios de que o rapaz tivesse sido torturado e executado. Para ele, esse é “mais um caso de violência policial que fica impune”.

“Um caso exemplar do ciclo de impunidade que permeia esses casos. Fica a versão dos policiais de um lado e nenhuma versão do outro, já que a vítima dos disparos morreu. E como o suposto confronto ocorreu dentro da casa, entre quatro paredes, sob controle dos policiais envolvidos, que impediram as pessoas de se aproximarem, não existem outras testemunhas que contrariem a versão policial”, disse Ariel.

O irmão e a irmã da vítima relataram que foram agredidos pelos policiais militares ao tentarem entrar na casa no dia em que Leandro foi morto. “Nessas comunidades vigora a lei do silêncio, já que as pessoas temem os policiais e os traficantes”, acrescentou Ariel.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212