Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Transferência de dívidas de um banco para outro continua em expansão - Jornal Brasil em Folhas
Transferência de dívidas de um banco para outro continua em expansão


A transferência de empréstimos de um banco para outro – a chamada portabilidade de crédito – continua em expansão. O volume de recursos movimentados por pessoa física cresceu 70% no primeiro semestre deste ano na comparação com igual período do ano passado, segundo dados do Banco Central (BC).

De janeiro a julho do ano passado, foram negociados R$ 8,8 bilhões. Neste ano, o montante ultrapassa R$ 15 bilhões. Esse tipo de transação financeira, definido em 2006 em uma resolução do Banco Central, permite ao consumidor transferir, sem custos, a dívida de um banco para outro em busca de melhores taxas para a quitação do empréstimo.

Um exemplo é o do engenheiro civil Rodrigo Veloso, que adquiriu um crédito imobiliário em 2016 para terminar a casa que construía em Santana de Parnaíba, região metropolitana de São Paulo. “Peguei o crédito em um momento de custo alto, mais ou menos 12%, e quando a casa ficou pronta comecei a buscar alternativas de financiamento mais baratas”, disse o engenheiro.

Ao mudar de banco, neste ano, Veloso conseguiu reduzir a parcela do financiamento em torno de 20%. “Deu uma aliviada no orçamento familiar, no mês a mês”, afirmou Veloso, ressaltanto que o custo efetivo total por ano ficou em torno de 10%.

Na modalidade de financiamento imobiliário, o aumento no volume das transações foi cerca de 20% no segundo trimestre deste ano na comparação com o trimestre anterior. Segundo informações da Plataforma Melhor Taxa, baseadas em dados do Banco Central, foram movimentados R$ 1,827 bilhão. A plataforma funciona como um facilitador de acesso às tarifas entre os bancos e os mutuários.

Para o fundador da fintech (empresa do setor financeiro que faz uso de novas tecnologias), Rafael Sasso, a redução da taxa de juros mais recente explica a maior procura pela portabilidade. “Além disso, há mais informação sobre isso, as pessoas começam a falar mais.”

Na última sexta-feira (24), a Caixa Econômica Federal, que tem participação de 69,3% no mercado de crédito imobiliário, reduziu novamente as tarifas desse tipo de financiamento. As taxas mínimas passaram de 9% ao ano para 8,75% ao ano, no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 10% ao ano para 9,5% ao ano, para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

A Caixa também alterou o limite de cota de financiamento de imóveis usados de 70% para 80%. A última redução tinha sido em abril e, antes dela, em 2016.

A Melhor Taxa, que é remunerada pelos bancos e não tem custo para os consumidores, simula as opções de portabilidade a partir das ofertas de taxas feitas pelos bancos. Em uma das simulações enviadas à Agência Brasil, o cenário é de uma pessoa de 32 anos, com um imóvel de R$ 800 mil, com financiamento de R$ 500 mil, em 2016, e prazo de 30 anos. No momento de concessão do crédito, os juros eram de 11,24%, e agora um banco ofertou uma taxa de 8,9%. A economia chegaria a mais de R$ 160 mil.

Sasso alerta, no entanto, que é importante observar o custo efetivo total, que inclui outras taxas cobradas pelo banco. Nesse caso, o percentual passaria de 11,95% para 9,61%.

Ao optar pela portabilidade, Sasso destaca que, além do custo efetivo total, é necessário considerar os custos adicionais do processo, como avaliação do imóvel e valor da transferência de alienação junto ao cartório de registro de imóveis. Para iniciar a negociação, o banco no qual está a dívida de origem deve fornecer ao cliente interessado informações como saldo devedor, número de parcelas a vencer e taxa de juros, entre outras. No caso de pessoas físicas, o valor e o prazo da nova operação não podem ser superiores ao valor do saldo devedor e ao prazo remanescente da operação original a ser liquidada.

No site do Banco Central, há perguntas e respostas sobre as obrigações das instituições financeiras relacionadas à portabilidade de crédito. No ano passado, esse tema foi o que mais recebeu reclamações no Banco Central. O Sistema de Registro de Demandas do Cidadão recebeu cerca 500 mil manifestações, das quais 61% eram reclamações, divididas entre as que são reguladas pelo BC e as não reguladas. Entre as que têm regulação do órgão central, a portabilidade de crédito teve 50 mil ocorrências, um total de 27%.

Para o presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Flávio Amary, as dificuldades estão relacionadas ao fato de ser um serviço novo.

“Em breve vai se tornar um pouco mais rápido, mais ágil, mais simples, e essa burocracia tende a diminuir”, afirmou Amary. Para o setor imobiliário, ele considera que não tem tanto impacto a maior busca pela portabilidade, mas acredita ser positivo que os compradores tenham essa opção em mente na hora de fechar um financiamento. “Sempre existe a possibilidade futura de as pessoas poderem optar pela mudança.”

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212