Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Oct de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Não existe milagre na intervenção, diz comandante do Exército - Jornal Brasil em Folhas
Não existe milagre na intervenção, diz comandante do Exército


Não existem milagre nem mágicas no combate à criminalidade no estado do Rio, que luta há décadas contra a violência. A avaliação é do general do Exército Antônio Barros, à frente do Comando Conjunto de opereações da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Ele falou com a imprensa nesta quinta-feira (30), após visita do presidente Michel Temer ao interventor, general Braga Netto.
O general Barros fala à imprensa após enterro do soldado do Exército João Viktor da Silva, morto em confronto com traficantes no Complexo da Penha, no cemitério de Engenheiro Pedreira, em Japeri.

General Antono Barros - Fernando Frazão/Agência Brasil

“Não existe nenhuma ação que se transforme em milagre. Nós temos um problema de décadas aqui no Rio de Janeiro, que o Estado brasileiro, através da intervenção federal, num esforço muito grande, busca uma solução. Nós sabemos o caminho, mas temos que trabalhar muito para isso”, disse o general Barros.

Ele destacou que os índices de violência, de uma forma geral, vêm caindo. Mas ressaltou que os confrontos que têm ocorrido, inclusive com a morte de três militares recentemente, são inevitáveis, por conta da agressividade e do forte armamento dos criminosos, principalmente nos complexos do Alemão e da Penha.

“Nós tínhamos bandidos armados, no que é chamado de bonde, com ostensividade, com fuzis, numa agressividade muito grande contra a nossa população. Como nós fazemos, quando você chega em bandidos irracionais buscando o confronto? É muito difícil. E aí, infelizmente, nós temos brasileiros, ainda que sejam perturbadores da ordem pública, que são alvejados. No Alemão, tivemos três mortos entre os soldados nossos. Foram mais de seis horas de fricção. Quantos civis inocentes morreram? Nenhum. Foram mais de 4 mil disparos”, relatou.

Segundo o general, os problemas de criminalidade e violência no estado vêm de décadas e não podem ser resolvidos em um passe de mágica.

“Quando você vem com um problema de décadas, não vão ser três meses, de uma maneira mágica, que se resolvem os problemas. Os índices estão caindo. É claro que o Rio de Janeiro está em uma situação de anormalidade. É por isso que estamos aqui. E não é de uma hora para outra que os tiroteios irão parar”, reconheceu o oficial.

Percepção da violência

Barros salientou que muitas vezes apenas as notícias ruins aparecem na imprensa e ações positivas não têm o mesmo destaque na mídia, causando uma percepção de violência distorcida junto à população.

“Nós temos diversos índices que estão caindo. Está no patamar que nós gostaríamos? Claro que não. O que gostaríamos é que não houvesse uma vítima, um disparo. Estamos trabalhando para isso. Os problemas estão sendo abordados e resolvidos dentro de princípios concretos. Nós recuperamos [desde o início da intervenção] cerca de 400 veículos e retiramos mais de mil barreiras [do tráfico]”, exemplificou o general.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

José Eliton e Caiado iniciam transição "republicana e no mais alto nível possível"
Carreta Novartis da Saúde chega em Goiás para combate à hanseníase
Mega-Sena sorteia o prêmio de R$ 18 milhões do concurso 2090
Vanderlan visita Tribunal de Justiça de Goiás
Brasil gera 137,3 mil novos postos de trabalho em setembro
Inscritos no Enem podem checar local de provas a partir de hoje
Após três quedas seguidas, dólar sobe e fecha o dia em R$ 3,72
Renan Filho: acordo para vender a Ceal depende de União quitar débitos

MAIS NOTICIAS

 

Equipe de transição deve ser definida hoje à tarde, diz Caiado
 
 
ONS vai reforçar ações de segurança energética nas eleições e no Enem
 
 
Inflação medida pelo INPC sobe para 0,30% em setembro
 
 
Universidades particulares terão disciplina sobre primeira infância
 
 
Com Enem, horário de verão começa no dia 18 de novembro
 
 
Governo anuncia recursos de R$ 600 milhões para o ensino médio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212