Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Marina defende agropecuária produtiva e sustentável, em evento na CNA - Jornal Brasil em Folhas
Marina defende agropecuária produtiva e sustentável, em evento na CNA


A candidata à Presidência da República pela Rede Sustentabilidade, Marina Silva, adotou um discurso conciliador com o agronegócio em evento que reuniu presidenciáveis e entidades do setor agropecuário, na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em Brasília, na tarde desta quarta-feira (29). A candidata foi ministra do Meio Ambiente entre 2003 e 2008 e, à época, protagonizou divergências com o setor.

Logo no início de sua fala, Marina reafirmou seu compromisso com o desmatamento ilegal zero, mas fez questão de salientar a importância do setor agropecuário para a economia nacional.
O candidato da Rede à Presidência da República, Marina Silva, participa de debate sobre agricultura promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Conselho do Agro.

A candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, durante debate promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Conselho do Agro - Valter Campanato/Agência Brasil

“Estamos diante de uma situação em que a gravidade da crise só não é maior em função da contribuição que os senhores têm dado para a nossa economia”, disse ao lembrar que a produção agropecuária representa 44% das exportações nacionais.

Para Marina Silva é possível aumentar a produção da agricultura e da pecuária sem impactos o meio ambiente.

“Os produtores brasileiros já estão maduros para fazer uma transição de uma agricultura extensiva e de baixa produtividade para uma agropecuária produtiva, competitiva e sustentável do ponto de vista econômico, ambiental e social”.

Segundo ela, foi o incremento das técnicas de plantio e de criação de animais que viabilizaram o crescimento da produção em 80% em quatro décadas.

“O agronegócio que está integrado às grandes cadeias globais sabe fazer o dever de casa e já está fazendo”.

“É de conhecimento público que muitos produtores estão fazendo o dever de casa, mais por conta própria do que em razão de política pública”, afirmou ao reconhecer que “é baixo” o financiamento para agricultores que querem ter lavoura com reduzida emissão de carbono.

“Nosso compromisso é dar suporte creditício”, prometeu. “O que nós vamos fazer é ampliar cada vez mais, dentro dos recursos que são destinados ao agronegócio o direcionamento para a agricultura de baixo carbono”.

Marina salientou a disparidade de condições dos produtores, como acesso à assistência técnica e a meios de produção mais sustentáveis. “Não posso imaginar que o agronegócio é homogêneo porque ele não é. Estão aqueles que começaram a fazer o dever de casa e aqueles que precisam de ajuda, como os pequenos e médios produtores”.
Infraestrutura e segurança pública

O discurso da candidata em favor da “alta produtividade, alta rentabilidade e também de alta sustentabilidade” se estendeu para logística e infraestrutura. Em entrevista coletiva, após a fala aos empresários do agronegócio, Marina Silva criticou as condições de armazenamento e o funcionamento dos portos. “O Brasil perde 30% da produção agrícola por causa da falta de infraestrutura logística de portos e armazenamento”

Ela também ressaltou que foi durante a sua gestão no MMA que foram concedidos as licenças ambientais que autorizaram a construção das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio (RO), a recuperação da BR-163 e as obras de transposição do Rio São Francisco.

Segundo ela, essas licenças foram concedidas respeitando o rigor técnico, com credibilidade ética e assegurando segurança jurídica. “Quando a gente entende do assunto fica mais fácil dialogar”, disse ao se referir à duplicação de trecho na BR-364.

Ao ser indagada pelos jornalistas sobre a liberação do porte de arma, Marina Silva disse que a solução para a segurança pública no Brasil é não permitir que bandidos usem armas e não distribuir arma para a população se defender sozinha.

Desse jeito é muito fácil: você se elege presidente da República, numa situação que a segurança pública está um caos. Quem tem obrigação de fazer isso é o Estado. A sociedade paga imposto muito caro para o Estado prover saúde, educação e segurança”.

No mesmo evento, falaram ao longo desta quarta-feira os candidatos à Presidência Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles e Alvaro Dias.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212